Editorial

Vidas preservadas

27 de Setembro de 2021 - 07h34 0 comentário(s) Corrigir A + A -

Em 2015, quando ultrapassou a assustadora marca de cem homicídios pela primeira vez na história, Pelotas dava a clara impressão de estar afundada em uma guerra de facções. E realmente estava. O crime organizado disputava o domínio do tráfico em uma batalha que atingia diretamente as ruas de uma forma muito violenta. A ratificação deste cenário veio a seguir, em 2017, quando foi imposto ao município o triste recorde de assassinatos em 365 dias. Eram duas, às vezes três mortes diárias nos últimos meses do ano. O sentimento de medo pelas ruas da cidade não era nenhum exagero. Hoje, quatro anos depois, a situação é diferente. Os crimes não foram exterminados, é claro que não, mas há mais de dois meses não há o registro de qualquer homicídio doloso na cidade. E isto é, sim, algo a ser comemorado. Esses 63 dias, completos ontem, representam o maior intervalo sem o crime nos últimos anos. Mais do que números, representam a preservação de vidas.
Até aqui, de acordo com o Observatório de Segurança Pública, o município tem uma média de 5,8 mortes a cada cem mil habitantes em 2021, de janeiro a agosto. E a tendência é que este número não aumente, já que o último homicídio na cidade foi registrado no fim de julho.
Junto a este período de significativo declínio no índice de assassinatos caminha a principal iniciativa do Poder Público para o setor da segurança. O Pacto Pelotas pela Paz completou em agosto quatro anos de atividades. O programa alinhou a atuação dos órgãos de segurança e reforçou a integração entre essas forças através de eixos - entre eles o de “Policiamento e Justiça”. Mas mais do que a presença de viaturas pelas ruas, essa tentativa de estabelecer uma cultura de paz é alicerçada também na prevenção. São ações que passam por toda a sociedade, com o trabalho policial, sim, mas também com ressocialização, oportunidade de mais sorrisos, aposta na educação, formação de facilitadores e apresentação de parcerias. Afinal, a sensação de segurança é algo a ser construído, e para qualquer construção é necessária uma base sólida.
Pelotas também teve nos últimos meses algumas outras conquistas significativas. Em dezembro de 2020, por exemplo, o município registrou o menor índice de roubo a pedestres dos últimos 18 anos. Com o mesmo intuito de preservação à vida, ocorreu há dois meses a instalação da Delegacia Amiga dos Animais na cidade, uma importante realização para fortalecer a causa animal. Desde então, dois homens já foram encaminhados ao Presídio Regional de Pelotas por maus tratos a cães.
Obviamente nem tudo são flores. Ainda temos muito a evoluir como sociedade, em termos de atitude, de posicionamento, de exemplos. Mas é preciso respirar e valorizar os momentos em que vemos os bons números crescendo junto à esperança da comunidade. Esperança essa de mais segurança e oportunidades.


Comentários

Diário Popular - Todos os direitos reservados