Pandemia

Zona Sul recebe habilitação dos primeiros dez leitos de UTI Covid

Região ainda aguarda o reconhecimento de outros 197 leitos para que hospitais de Rio Grande e Pelotas possam receber repasses federais

19 de Maio de 2020 - 20h36 Corrigir A + A -

Por: Michele Ferreira
michele@diariopopular.com.br 

Leitos de UTI Covid, em Rio Grande, já têm recebido pacientes de várias regiões do Estado (Foto: Assessoria - Prefeitura de Rio Grande)

Leitos de UTI Covid, em Rio Grande, já têm recebido pacientes de várias regiões do Estado (Foto: Assessoria - Prefeitura de Rio Grande)

Presidente da Azonasul, Luís Henrique Pereira, destaca a importância de as cidades evitarem o primeiro caso (Foto: Divulgação)

Presidente da Azonasul, Luís Henrique Pereira, destaca a importância de as cidades evitarem o primeiro caso (Foto: Divulgação)

Quase dois meses depois de a Zona Sul ter o primeiro caso de Covid-19 confirmado - em 23 de março -, os primeiros leitos, finalmente, receberam habilitação do Ministério da Saúde, nesta terça-feira (19). O reconhecimento federal, entretanto, refere-se a apenas dez vagas de Unidade de Tratamento Intensivo (UTI) na Santa Casa de Rio Grande. Outros 197 leitos - entre UTI e enfermaria - ainda aguardam o credenciamento, imprescindível aos repasses de verba aos hospitais de Rio Grande e de Pelotas; referências no atendimento ao novo coronavírus na região.

Até o início da noite desta terça, 88 casos da doença tinham sido registrados em oito municípios da Zona Sul (veja quadro). É o equivalente a pouco mais de um terço das cidades com contaminação oficialmente notificada. As ações de enfrentamento da pandemia, todavia, estão na mira das 23 prefeituras. A razão é muito clara: o período de maior risco às doenças respiratórias - com a queda nas temperaturas - ainda está por vir e a estrutura hospitalar para absorver quadros mais graves poderá não dar conta da demanda.

"Temos que nos preocupar em evitar o primeiro caso. Por isso, as equipes de Vigilância Sanitária e da Brigada Militar (BM), mesmo nas cidades pequenas, precisam fazer um trabalho de rua e explicar para população que não é hora de aglomeração", afirma o presidente da Associação dos Municípios da Zona Sul (Azonasul), prefeito de Arroio Grande, Luís Henrique Pereira (PP).

E destaca que, em reuniões para alinhamento de estratégias, as prefeituras têm relatado trabalho de prevenção, principalmente, em estações rodoviárias para controle do fluxo de passageiros que chega e sai das cidades. "É uma luta grande", reitera o presidente. E busca no exemplo de Arroio Grande medidas simples que passarão a ser adotadas, como a colocação de fitas de isolamento para tentar impedir a concentração de jovens em rodas de bate-papo aos finais de semana. Tudo para permanecer fora das estatísticas do novo coronavírus no Estado.

Situação é estável, mas não sinônimo de segurança
Dois aspectos ajudariam a explicar o cenário atual da região: a adesão ao Distanciamento Social, implementado ainda antes do registro oficial dos primeiros casos de Covid-19 na Zona Sul, e a distância entre os municípios que, ao contrário de outras áreas do Estado, não ficam colados uns nos outros. A característica rural também pesa para um resultado favorável até o momento.

"Temos uma situação estável, mas de segurança momentânea", enfatiza o presidente do Conselho das Secretarias Municipais de Saúde do Rio Grande do Sul (Cosems-RS), Diego Espíndola. E como secretário de Piratini, destaca a dificuldade de acesso à testagem, o que faz com que as cidades não conheçam de fato a realidade de contágio das suas comunidades.

Na primeira remessa, o número de testes rápidos limitava-se a 12 unidades. Hoje, após aquisição do Hospital, investimento da prefeitura e nova liberação de material do Ministério da Saúde, são cerca de 500 testes entre RT-PCR e rápidos à disposição do Sistema Único de Saúde (SUS), em Piratini. Bom para os pacientes e para os profissionais da saúde.

E, ao se pronunciar em nome do Cosems, Diego Espíndola reitera a importância de os leitos estarem habilitados pela União, para os recursos poderem chegar e garantir o enfrentamento à pandemia. "Não podemos afrouxar em todos estes cuidados. A crise em uma cidade terá efeito em cadeia".


À espera de habilitação do Ministério da Saúde 
* Em Rio Grande
- Na Santa Casa: 47 leitos clínicos de retaguarda

- No Hospital da Furg: 30 leitos adultos de retaguarda
                                         6 leitos pediátricos
                                         1 leito de UTI pediátrica

- No Hospital de Cardiologia, que pertence ao complexo da Santa Casa: 40 leitos

Entenda melhor: Os dez leitos de UTI da Santa Casa, habilitados agora, contavam com incentivo estadual, já que pacientes inclusive de outras regiões do Rio Grande do Sul eram encaminhados a Rio Grande. A diária de cada leito é de R$ 1,6 mil - informa o governo gaúcho.


* Em Pelotas
- No HE-UFPel: 20 leitos de UTI Adulto
                            21 leitos clínicos para adulto

- No Centro de Atendimento a Síndromes Gripais (Centro Covid): 5 leitos de UTI Pediátrica
                                                                                                                 6 leitos de UTI Adulto
                                                                                                               10 leitos clínicos pediátricos
                                                                                                               11 leitos clínicos para adulto

Entenda melhor: Até o momento nenhum leito reservado para tratamento de Covid-19 recebeu habilitação federal, em Pelotas. Informações da secretária de Saúde, Roberta Paganini, indicam que os pedidos foram encaminhados. Uma Resolução da Comissão Intergestores Bipartite (CIB) da Secretaria Estadual de Saúde ainda precisa ser enviada ao Ministério da Saúde.


Confira o panorama da Covid-19 

- Na Zona Sul: O total de infectados, até o início da noite, era de 88 pessoas, em oito municípios da região. Confira:

- Pelotas: 50
- Rio Grande: 15
- Canguçu: 13
- São Lourenço: 5
- Piratini: 2
- Capão do Leão: 1
- Candiota: 1
- Jaguarão: 1

- No Estado: Até as 18h35min, a pandemia era registrada em 224 municípios. O número de casos confirmados era de 3.759 e 151 mortes. O total de pessoas recuperadas atingia 63,1%.


Comentários


Diário Popular - Todos os direitos reservados