Clima

Temporal leva Jaguarão à situação de emergência

Com ventos fortes e granizo, cerca de cem casas, três escolas e um Cras foram destelhados; até o início da noite, 4,5 mil clientes seguiam sem energia elétrica

04 de Maio de 2021 - 20h41 Corrigir A + A -

Por: Michele Ferreira
michele@diariopopular.com.br 

Galpão que já funcionou para o armazenamento de grãos, ao lado do quartel da BM, desabou (Foto: Divulgação - DP)

Galpão que já funcionou para o armazenamento de grãos, ao lado do quartel da BM, desabou (Foto: Divulgação - DP)

Equipe da Defesa Civil regional distribuiu lonas às famílias que tiveram as casas destelhadas (Foto: Divulgação - DP)

Equipe da Defesa Civil regional distribuiu lonas às famílias que tiveram as casas destelhadas (Foto: Divulgação - DP)

Árvores e postes também caíram durante o temporal, na noite de segunda (Foto: Divulgação - DP)

Árvores e postes também caíram durante o temporal, na noite de segunda (Foto: Divulgação - DP)

Viaturas da BM foram atingidas pelos destroços do prédio ao lado (Foto: Divulgação - DP)

Viaturas da BM foram atingidas pelos destroços do prédio ao lado (Foto: Divulgação - DP)

Um temporal de aproximadamente 15 minutos, na noite de segunda-feira (3), foi o suficiente para colocar Jaguarão em situação de emergência. A combinação entre vendaval, chuva e granizo espalhou estragos por diferentes áreas da cidade. Até a tarde desta terça-feira (4), as equipes da Defesa Civil ainda realizavam levantamento, mas os dados preliminares apontavam: em torno de cem casas foram destelhadas, além de três escolas municipais e um Centro de Referência de Assistência Social (Cras). Ninguém ficou ferido.

O balanço dos prejuízos vai longe: com parte do teto arrancado no Cras Pindorama, todos os computadores foram danificados. A estimativa é de que cerca de 50 postes tenham sido derrubados, além de árvores que também vieram ao chão. Os bairros mais atingidos foram Carvalho e Bela Vista. Não há registro de desabrigados. Durante a manhã, a Defesa Civil regional fez a distribuição de 1,2 mil metros quadrados de lona para as famílias que tiveram as residências atingidas.

"Estamos realizando avaliação e verificando a possibilidade de compra de materiais, como telhas, para entregar à comunidade", explicou o prefeito Favio Telis (MDB), ao percorrer pontos afetados. O decreto municipal publicado na tarde desta terça poderá, inclusive, trazer agilidade às soluções. Ao que tudo indica todos os prejuízos estão concentrados na zona urbana.

Falta de energia interrompe fornecimento de água

Até o início da noite, 4,5 mil clientes permaneciam sem energia elétrica. Quatro alimentadores, circuitos e chaves foram danificados e as equipes trabalhavam para tentar restabelecer o fornecimento. E o mais delicado: sem energia na região do Cerro da Pólvora, onde está situada a Estação de Abastecimento de Água de Jaguarão, as torneiras também começavam a ficar secas.

Viaturas da BM também são atingidas

O desabamento de um galpão que já funcionou para o armazenamento de grãos, na área central da cidade, estendeu prejuízos à Brigada Militar (BM), que tem o quartel localizado ao lado. Informações repassadas pela prefeitura dão conta de que quatro das cinco viaturas foram atingidas. O Diário Popular fez contato com a BM, para saber mais detalhes da dimensão dos estragos e quais serão as providências, mas ficou sem retorno.

Confira a previsão do tempo 

A quarta-feira (5) deve ser mais gelada em todo o Rio Grande do Sul. A entrada de uma frente fria provocará queda nos termômetros e a temperatura deve ficar abaixo dos 10ºC. A sensação de frio será mais intensa devido ao vento minuano; destaca o boletim do Centro de Pesquisas e Previsões Meteorológicas da Universidade Federal de Pelotas (CPPMet-UFPel). O dia também deve ser marcado por chuvas, mas com volumes moderados; na maioria das regiões do Estado não deve ultrapassar os 20 milímetros.

 


Comentários


Diário Popular - Todos os direitos reservados