Diversidade

Rio Grande realiza encontro de líderes das religiões de matriz africana

Foi desenvolvido um momento de convivência, que contou também mostra cultural de dança

29 de Novembro de 2019 - 23h36 Corrigir A + A -

Por: Redação
web@diariopopular.com.br

Líderes mulheres estiveram reunidas na prefeitura de Rio Grande (Foto: Divulgação - DP)

Líderes mulheres estiveram reunidas na prefeitura de Rio Grande (Foto: Divulgação - DP)

A resistência e preservação milenar da cultura afro pelas Iyás foi o motivo de uma tarde de debates realizada nesta sexta-feira (29), na prefeitura do Rio Grande. A intenção do encontro foi dar visibilidade à cultura de matriz africana que é preservada nos terreiros. As iyás e o público em geral que participaram da atividade construíram juntos um momento de vivências, que contou com rodas de conversa, mostra cultural de dança e referências da temática étnico-racial do município. Iyás, Iyalorixás, mães de terreiro ou mães de santo são as líderes de um terreiro.

Um dos propósitos do evento foi também a discussão da construção de legislações voltadas aos povos de terreiro. Para isso, uma das facilitadoras do debate foi a Sibely Chaviel, que é advogada e secretária-geral da Comissão da Igualdade Racial da OAB/Subseção Rio Grande. Neste sentido, ela explicou que a finalidade primordial do dia era a da escuta, de ouvir os anseios dessa população. “A legislação de terreiro é uma causa pela qual eu ando lutando e participando desde o início do ano. Compondo a Comissão de Igualdade Racial da OAB esse é um tema que se engloba nas nossas pautas. Então a finalidade aqui hoje é ouvir as iyás, no intuito de escutar sobre quais são os seus anseios, suas dificuldades, qual é o cotidiano delas, do que sentem falta, quais suas carências, entre outros aspectos, como a intolerância religiosa”, afirmou.

Rio Grande é um dos municípios do Rio Grande do Sul que nos últimos anos tem reconhecido e encampado a pauta legítima dos povos de matriz africana. Avançou, por exemplo, na construção de legislações, com medidas como a Lei que criou a Política e a Coordenadoria Municipal de Políticas Públicas de Promoção da Igualdade Racial e o decreto que criou o GT para a construção de Políticas Públicas de desenvolvimento sustentável dos Povos de Matriz Africana. A cidade recebeu, inclusive, uma carta do Palácio de Oyó, na África, em reconhecimento às investidas em políticas públicas para os povos de matriz africana na cidade.

A secretária do Gabinete de Programas e Projetos Especiais da Prefeitura, Darlene Pereira, integrou o encontro reafirmando o compromisso da administração municipal na consolidação de políticas públicas para a população negra e lembrando ao público presente no Salão Nobre que o município está discutindo a sua nova carta do Plano Diretor, “sendo este um momento fundamental para a comunidade negra rio-grandina pensar e reafirmar seus espaços e seus direitos”, disse a gestora.


Comentários


Diário Popular - Todos os direitos reservados