Zona Sul

Produção de soja deve injetar cerca de R$ 3 bilhões na Zona Sul

Cifras poderão ser ainda mais altas se chuvas se mantiverem regulares, principalmente, nas áreas de coxilha

06 de Março de 2021 - 10h06 Corrigir A + A -

Por: Michele Ferreira
michele@diariopopular.com.br 

Hoje mais de 2,5 mil propriedades apostam na produção do grão na Zona Sul (Foto André Matos - Irga/RS)

Hoje mais de 2,5 mil propriedades apostam na produção do grão na Zona Sul (Foto André Matos - Irga/RS)

Seis municípios, juntos, somam 62% de toda a área cultivada, que cresceu em relação a 2020  (Foto: André Matos - Irga/RS)

Seis municípios, juntos, somam 62% de toda a área cultivada, que cresceu em relação a 2020 (Foto: André Matos - Irga/RS)

Faltam pouco mais de três semanas para o começo da colheita da soja e o cenário é altamente positivo. Dados da Emater apontam que, até este momento, a produção da Zona Sul deve ultrapassar 1,1 milhão de toneladas. O resultado representará a injeção de quase R$ 3 bilhões na economia da região. E o melhor: os números ainda podem crescer. Dependerá do clima.

A fase é de enchimento de grãos. Portanto, se forem registradas novas chuvas regulares como as ocorridas nos últimos dias, principalmente em áreas de coxilhas, a tendência é de que a safra possa passar de boa para excelente e alcançar marcas históricas.

Quem analisa é o engenheiro agrônomo da Emater, Evair Ehlert. "A expectativa com o que já temos hoje é de que se atinja uma produtividade de referência de 40 sacos por hectare", explica o extensionista rural. Conforme o clima, entretanto, o rendimento pode oscilar entre 50 e 60 sacos (de 60 quilos) por hectare.

Saiba mais 


- Hoje, a Zona Sul possui 2.588 produtores de soja e 98% da produção são destinados para exportação, via Superporto de Rio Grande. O principal destino é a China.
- Das 22 cidades da região destaque para Canguçu, que concentra 925 produtores devido ao avanço do cultivo entre integrantes da agricultura familiar. Juntos, seis municípios - Arroio Grande, Jaguarão, Canguçu, Pedras Altas, São Lourenço do Sul e Piratini - respondem por 62% da área plantada de toda a Zona Sul.
- Quando a perspectiva é com relação à produtividade, o destaque aponta ao Chuí, no extremo sul. A projeção é de 3,3 toneladas por hectare.
- A safra atual registra aumento da área plantada. No período 2019/2020 foram cultivados 407.090 hectares. A estimativa de colher 968.867 toneladas acabou frustrada. Com os prejuízos provocados pela estiagem, a produção ficou em apenas 504.204 toneladas.

Confira a expectativa atual 

Município                       Área plantada (hectares)                      Produção esperada (toneladas)

Amaral Ferrador           2.000                                                          4.800
Arroio do Padre               500                                                           1.500
Arroio Grande               47.120                                                     127.224
Canguçu                         45.000                                                     135.000
Capão do Leão                9.610                                                        28.830
Cerrito                             6.800                                                        18.360
Chuí                                 1.300                                                          4.320
Herval                            13.000                                                        35.750
Jaguarão                        45.000                                                       121.500
Morro Redondo              2.000                                                            6.000
Pedras Altas                   44.200                                                       106.080
Pedro Osório                   10.500                                                         25.200
Pelotas                              22.000                                                       66.000
Pinheiro Machado            6.800                                                        17.952
Piratini                             40.000                                                     120.000
Rio Grande                        9.600                                                        27.648
Santa Vitória do Palmar 36.134                                                        97.634
Santana da Boa Vista      37.000                                                         99.900
São José do Norte                 10                                                                  18
São Lourenço do Sul       42.000                                                       126.000
Tavares                                 530                                                            1.294
Turuçu                               5.500                                                           16.500


Total                                    424.604                                                 1.187.510

Expectativa nas áreas de várzea

 As mesmas chuvas que poderão beneficiar a produção nas zonas de coxilha - mais altas -, correm o risco de provocar estragos em áreas de várzea. O alerta é do coordenador do Instituto Rio-Grandense do Arroz (Irga) na Zona Sul, André Matos. Com volumes acumulados de pancadas registradas entre janeiro e fevereiro, há relatos de propriedades com perdas.
"Ainda não temos um dado exato da área de várzea prejudicada. Será avaliado na colheita", destaca o engenheiro agrônomo. E, ao lembrar que a ampla maioria das lavouras de soja da Zona Sul estão em regiões de coxilha, Matos reforçou a expectativa da Emater por bons resultados em 2021. A torcida é que os danos sejam apenas pontuais.

Como promete ser o mês de março?

Informações da MetSul Meteorologia indicam um março típico, com grandes variações de temperatura. Na primeira metade do mês devem ser registrados períodos mais quentes. Já a segunda quinzena pode ser marcada pela chegada antecipada de frio mais intenso; quem sabe até algum evento isolado de geada.
"Não que represente risco para o setor agrícola", enfatiza a meteorologista Estael Sias. Seriam efeitos do fenômeno climático La Niña, que traz mais cedo as ondas de frio no outono.

 

 


Comentários


Diário Popular - Todos os direitos reservados