Zona Sul

Possibilidade de mais neve na Zona Sul

Após registro em Canguçu, queda brusca nas temperaturas oferece a melhor condição para o fenômeno nos últimos 20 anos

27 de Julho de 2021 - 19h38 Corrigir A + A -
Zona Sul registrou queda de neve nesta semana (Foto: Divulgação - DP)

Zona Sul registrou queda de neve nesta semana (Foto: Divulgação - DP)

A onda de frio que avança sobre o Rio Grande do Sul já tem registrado temperaturas muito baixas e até mesmo a efetiva presença de neve na Zona Sul, em Canguçu. Entre hoje e sexta-feira os termômetros devem apresentar nova queda e o registro do fenômeno poderá ser notado em diversas outras cidades, como Pinheiro Machado. A condição para a precipitação invernal é a maior dos últimos 20 anos.

Na manhã desta terça-feira, um vídeo viralizou nas redes sociais. Flocos de neve foram registrados em Canguçu, mais precisamente nos bairros dos Teixeiras e Triângulo, e no interior, na Trapeira, 4° distrito do município. No Centro da cidade foi notada a presença de chuva congelada. “Foi um tipo de neve que a gente chama de ‘aguaneve’, que é a neve misturada com chuva líquida. Isto porque a temperatura não estava tão baixa a ponto de ficar só neve, então tinha um pouco em estado sólido com água em estado líquido”, explica o meteorologista Fernando Rafael, da Sigma Meteorologia. Segundo ele, a temperatura no momento da precipitação, que aconteceu entre as 9h30min e 10h, era de 2ºC em superfície. No perfil vertical da atmosfera o registro chegou a -1ºC.

Houve notificações de precipitações em diversas cidades da região, mas a formação de neve perceptível se deu somente em Canguçu. Quanto à chuva congelada, houve registros em outras áreas, incluindo o interior de Pelotas.

O profissional afirma que a presença de neve na região foi encarada com surpresa, entretanto para os próximos dias a meteorologia aponta chances maiores. “Pode ser aquela neve de filme, que a gente diz que é a neve em floquinhos, esvoaçando, mas pode ter também graupel, que é uma precipitação de gelo mais branco e fosco.” A explicação mais sucinta quanto à formação de precipitações invernais é que estas ocorrem quando há um esfriamento da atmosfera. Com isso, os pingos caem da nuvem e congelam na queda até a superfície, onde é formado o gelo.

A possibilidade para novo registro hoje torna-se maior devido à aproximação de um ciclone, próximo à costa, resultando em uma nova queda na temperatura e em aumento na umidade relativa do ar, união de fatores que torna propícia a formação do fenômeno climático. Rafael afirma que pode nevar em pontos da região, não limitando-se a locais de maior altitude, mas em locais a nível do mar, como Pelotas.

Dentre as cidades com maior condição, está Pinheiro Machado, considerada a cidade mais fria da Zona Sul por conta da posição geográfica. Devido à altitude, o frio torna-se mais evidente, logo, há a conservação do floco de neve. O fenômeno já foi registrado na cidade no início deste mês, quando uma massa de ar polar passou pelo Estado e os termômetros chegaram a marcar -6ºC no distrito de Curral das Pedras, o que deverá se repetir. “Nesta semana, principalmente no amanhecer de quinta e sexta-feira, podemos ter temperaturas na cidade de Pinheiro, e em outras regiões, inferiores a -8ºC.” Em zonas mais altas, o alerta é quanto às sensações térmicas, devido à ação dos fortes ventos, que podem ficar próximas dos -10ºC.

Os registros de frio intenso e de neve são vistos com bons olhos pelo Executivo. O vice-prefeito de Pinheiro Machado, Rogério Moura (PSB), explica que a cidade estará pronta para receber visitantes dispostos a ver de perto o fenômeno de inverno no dia de hoje. “A partir das 11h até a tardinha há essa grande probabilidade de neve. Sendo assim, não é mais necessário sair da Zona Sul para ir a outras localidades mais distantes. Vamos ver a nossa neve da Campanha”, convida. Além da neve, Moura reitera que a cidade tem sua culinária típica, com a disposição de churrasco em todos os restaurantes locais, além de café colonial e lojas especializadas em azeites e vinhos.


Comentários


Diário Popular - Todos os direitos reservados