Zona Sul

Por precaução, HU-Furg restringe atendimentos

A medida foi tomada devido à redução nos estoques de medicamentos para intubação e ventilação mecânica

01 de Abril de 2021 - 19h13 Corrigir A + A -

Por: Redação
web@diariopopular.com.br

Medida entra em vigor nesta sexta-feira (Foto: Divulgação - DP)

Medida entra em vigor nesta sexta-feira (Foto: Divulgação - DP)

O Hospital Universitário Dr. Miguel Riet Corrêa Jr. da Universidade Federal do Rio Grande (HU-Furg), vinculado à Empresa Brasileira de Serviços Hospitalares (Ebserh), por motivos de precaução, precisou suspender todas cirurgias e procedimentos endoscópicos, com exceção dos casos de emergência. A medida, que entra em vigor a partir desta sexta-feira (2), foi necessária devido à redução nos estoques de medicamentos anestésicos, sedativos e bloqueadores neuromusculares. Esses medicamentos tiveram aumento na demanda, devido ao grande número de pacientes intubados e em ventilação mecânica acometidos pela Covid-19, sendo prioridade o atendimento desses casos.    

Conforme a superintendente do HU-Furg, Sandra Brandão, em fevereiro deste ano, o Hospital contava com um estoque de medicamentos suficientes para suprir quatro meses de atendimento. O cálculo estava baseado no número de pacientes intubados atendidos no pior momento da pandemia em 2020. “No entanto, o cenário atual é muito pior do que o vivido no ano passado. Nossa média de intubados devido à Covid-19 era de três pacientes por dia, agora temos 17. O estoque de medicamento que iria durar quatro meses, durou apenas três semanas. O vírus está bem mais agressivo, o que ocasionou um número maior de pacientes necessitando de ventilação mecânica”, explica a superintendente.   

Sandra ainda enfatizou que, no momento que ocorreu o aumento no consumo, o HU-Furg tomou uma série de medidas para manter os estoques. “Nosso Hospital conta com recursos para adquirir os medicamentos, mesmo assim não conseguimos comprá-los. Fizemos uma dispensa de licitação, por meio de chamamento público, e realizamos contato com diversos fornecedores, mas não houve interessados”. A Ebserh, estatal vinculada ao MEC que administra o HU-Furg, também não tem medido esforços para realizar aquisições, visando aumentar o estoque, mas ainda sem sucesso devido ao já conhecido cenário de dificuldade para aquisição de medicações. O Ministério da Saúde tem liberado estoque regulador para os gestores estaduais. 

Além disso, a preocupação com a redução nos estoques foi compartilhada com as autoridades de saúde. Com a falta retorno, foi enviado, no dia 29/03, ofício à Secretaria Estadual de Saúde, 3ª Coordenadoria Regional de Saúde e Secretaria Municipal de Saúde, relatando o risco iminente de desabastecimento e pedindo apoio, mas ainda sem resposta. O Gerente de Atenção à Saúde, Fábio Lopes, acrescenta que, dos medicamentos utilizados, dois possuem estoque para mais quatro dias, considerando somente o número de pacientes hoje internados.  

Nesta quinta-feira, o HU-Furg, enviou, novamente, ofício às autoridades de saúde locais, informando sobre a suspensão dos procedimentos e alertando que: “caso não haja reposição dos estoques nesta data recomendamos que os pacientes que necessitam de tratamento de terapia intensiva em razão da Covid-19, sejam encaminhados para outras instituições de saúde, pelos órgãos reguladores de atendimento pré-hospitalar”, conforme descrito no ofício – SEI nº 220/2021/SUP/HU-Furg-Ebserh. 

 Internações 

O HU-Furg está com 100% de ocupação de seus leitos no Serviço de Pronto Atendimento Covid-19, na Enfermaria Covid-19 e na Unidade de Terapia Intensiva (UTI). Além disso, possui pacientes com Covid-19 internados (isolamento) em outras unidades do Hospital. Ao todo, 32 pacientes estão internados com Covid-19 no HU-Furg, sendo que 17 estão em ventilação mecânica, necessitando de medicamentos anestésicos, sedativos e bloqueadores neuromusculares. 


Comentários


Diário Popular - Todos os direitos reservados