Zona Sul

Polícia Federal e CGU fazem operação na região

Mandados de busca e apreensão foram realizados em Pelotas e Santa Vitória do Palmar

31 de Agosto de 2021 - 18h46 Corrigir A + A -

Por: Vitória Leitzke
vitoria@diariopopular.com.br

Policiais federais e servidores da CGU cumpriram dez mandados de busca e apreensão em quatro cidades, incluindo duas da região: Pelotas e Santa Vitória do Palmar (Foto: Divulgação - DP)

Policiais federais e servidores da CGU cumpriram dez mandados de busca e apreensão em quatro cidades, incluindo duas da região: Pelotas e Santa Vitória do Palmar (Foto: Divulgação - DP)

A Polícia Federal (PF), junto à Controladoria-Geral da União (CGU), deflagrou ontem a Operação Tomentella, para investigar e combater desvios de recursos públicos na contratação de associação civil pelo município de Taquara para administrar o Hospital Bom Jesus. Policiais federais e servidores da CGU cumpriram dez mandados de busca e apreensão em quatro cidades, incluindo duas da região: Pelotas e Santa Vitória do Palmar.

Segundo o delegado da PF em Pelotas, Robson Robin, na cidade foram dois mandados de busca e apreensão e em Santa Vitória do Palmar mais um. Além desses municípios, outros sete mandados foram realizados em Porto Alegre e Taquara. "Em uma das buscas em Pelotas, foi realizada uma prisão por porte de arma ilegal, mas o envolvido pagou a fiança e saiu logo em seguida", explicou Robin.

A investigação teve início em 2018 e apura a contratação da prefeitura de Taquara durante os anos de 2016 a 2017. De acordo com a Polícia Federal, os recursos públicos federais repassados somam, aproximadamente, R$ 16 milhões, além de verbas estaduais e municipais. Também é apontado que o grupo teria utilizado parte desses valores para pagar despesas não autorizadas, em proveito próprio e em favor de outras empresas, a título de taxa de administração e consultoria. A mesma associação civil envolvida já havia sido investigada na Operação Camilo, deflagrada em 2020.

Os crimes investigados na Operação Tomentella são de apropriação ou desvio de bens ou rendas públicas, dispensa ou inexigência irregulares de licitação, organização criminosa, peculato, corrupção passiva e corrupção ativa. Os investigados tiveram documentos, telefones celulares e computadores recolhidos.


Comentários


Diário Popular - Todos os direitos reservados