Prejuízos

Piratini e São Lourenço decretam situação de emergência nesta sexta

Estiagem está provocando dificuldades no abastecimento de residências, além de prejuízos milionários no campo e na pecuária

28 de Janeiro de 2022 - 08h30 Corrigir A + A -
As perdas em lavouras de milho chegam a 30% em Piratini (Foto: Emater/Piratini)

As perdas em lavouras de milho chegam a 30% em Piratini (Foto: Emater/Piratini)

Com o rio São Lourenço praticamente seco, quase 350 famílias estão com dificuldades de ter água para o consumo humano. (Foto: Fernanda Helms/Prefeitura de São Louenço do Sul)

Com o rio São Lourenço praticamente seco, quase 350 famílias estão com dificuldades de ter água para o consumo humano. (Foto: Fernanda Helms/Prefeitura de São Louenço do Sul)

A situação da estiagem continua se agravando na Zona Sul e mais dois municípios vão decretar situação de emergência hoje. Após coleta e análise dos dados sobre as situação atual, São Lourenço do Sul e Piratini serão as próximas cidades a encaminhar o pedido de ajuda ao governo do Estado. Ontem, Pedras Altas teve a medida reconhecida pelo Ministério do Desenvolvimento Regional (MDR).

Em Piratini, cerca de cem residências estão recebendo água potável com o auxílio de caminhões-pipa e, desde o mês passado, quase 400 poços já foram abertos. Atualmente o setor de Assistência Social do município está avaliando a compra de caixas d'água para famílias do interior que se encontram em situação de vulnerabilidade social. Segundo o levantamento da Defesa Civil do município, as perdas estão nas lavouras de tabaco, soja, feijão e na pecuária de corte e de ovinos. A cultura do milho e a produção leiteira são as mais atingidas, com danos de 30% cada já registrados. Ao todo, os prejuízos somados chegam a aproximadamente R$ 85 milhões.

Segundo o secretário de Cidadania e Assistência Social, Daniel Moura, apesar das precipitações dos últimos dias, a situação ainda é difícil, já que elas ocorrem de forma irregular. "Em um contexto geral, tem chovido, mas também há locais em que a chuva não chegou", comenta. Moura, que também é coordenador da Defesa Civil de Piratini, conta que a cidade é dividida em cinco distritos e que o 2º e o 3° são os mais atingidos pela estiagem.

Prejuízos de quase R$ 300 milhões

Em São Lourenço do Sul, o prefeito em exercício, Cléo Uarthe (PDT), participou de uma reunião extraordinária do Conselho Agropecuário Municipal (Capec) na última quarta-feira, na qual foram apresentados os dados da situação atual da cidade. Os prejuízos chegam a R$ 286 milhões e o documento deve ser emitido entre hoje e amanhã.

No município, as perdas estão nas culturas de tabaco, soja, milho e no leite, porém as lavouras de feijão são as mais afetadas, com 50% de danos. Além disso, com o rio São Lourenço praticamente seco, quase 350 famílias estão com dificuldades de ter água para o consumo humano, sendo que 42 residências já contam com o abastecimento feito por caminhões-pipa. Entre as localidades mais afetadas estão Faxinal, Santa Teresa, Campos Quevedos, Gusmão, Canta Galo e Pinheirinhos.

Acompanhando a situação

Na Zona Sul, com os decretos de São Lourenço do Sul e Piratini, mais da metade dos municípios já sinalizou estar em situação de emergência em função da estiagem. Já decretaram: Pedras Altas, Jaguarão, Herval, Pinheiro Machado, Candiota, Arroio Grande, Rio Grande, Santa Vitória do Palmar, Canguçu e São José do Norte.

Esta semana, a prefeita Paula Mascarenhas (PSDB) participou de uma reunião com representantes da Defesa Civil e da Secretaria de Agricultura e Pecuária e Desenvolvimento Rural (Seapdr) do Estado para discutir a situação em Pelotas. Apesar do cenário atual não ser semelhante ao dos demais municípios da região, a chefe do Executivo disse que a falta de chuvas está sendo monitorada pela Secretaria de Desenvolvimento Rural (SDR) e pelo Sanep. "Nossa condição ainda não é grave, mas estamos com o sinal amarelo ligado", comentou.

Hoje uma reunião entre os 22 prefeitos integrantes da Azonasul irá tratar sobre a estiagem na região. O encontro ocorrerá em Pinheiro Machado, no Parque Charrua, onde ocorre a 38ª Feovelha.

Reconhecimento de emergência

Ontem, o governo federal, através do MDR, reconheceu a situação de emergência de 40 municípios da Bahia, Paraná, Rio Grande do Sul e Santa Catarina que enfrentam a estiagem. O RS foi o Estado que mais recebeu retorno positivo, com 32. Agora, 232 cidades gaúchas já possuem certificação federal.

Na Zona Sul, somente Pedras Altas estava na lista. Para o prefeito do município, Bebeto Perdomo (PP), entre as principais mudanças com a homologação do decreto está a proteção a agricultores, pois o documento contribui para a renegociação de dívidas e ajuda no pedido de possíveis linhas de crédito especiais criadas pelos governos estadual e federal.

O chefe do Executivo adiantou que nos próximos dias irá a Brasília para pleitear cestas básicas a pessoas registradas no Cadastro Único (CadÚnico) e caixas d'água. Além disso, tentará recursos para a contratação de caminhões-pipa ou óleo diesel para abastecer o veículo que está em atuação.


Comentários


Diário Popular - Todos os direitos reservados