Covid-19

Piora no cenário da pandemia deixa Região Sul em alerta

Após a segunda semana consecutiva com notificação do Estado e confirmação da variante Delta em Rio Grande, região deve intensificar monitoramento da Covid

28 de Outubro de 2021 - 20h19 Corrigir A + A -

Por: Vitória Leitzke

Quatro casos da variante Delta foram confirmados em Rio Grande (Foto: Carlos Queiroz - DP)

Quatro casos da variante Delta foram confirmados em Rio Grande (Foto: Carlos Queiroz - DP)

A população da Zona Sul do Estado deve ficar atenta e redobrar os cuidados com a pandemia da Covid-19. Após o Aviso, pela segunda semana consecutiva, por parte do governo estadual e a confirmação da presença da variante Delta em Rio Grande, a 3ª Coordenadoria Regional da Saúde (CRS) deve pedir à Associação dos Municípios da Zona Sul (Azonasul) a intensificação do monitoramento da situação, em reunião a ser realizada ainda hoje.

A delegada da 3ª CRS, Caroline Hoffmann, afirma que a infecção pela nova variante do coronavírus não é uma surpresa, visto que a transmissão no Rio Grande do Sul já é considerada comunitária desde julho deste ano. "Fomos a última macrorregião a positivar para a variante Delta", destaca.

Entretanto, isso não diminui a apreensão - não só com a confirmação quanto aos números da pandemia na região, que vem em ascensão nas últimas semanas. Por isso, uma reunião com prefeitos da Azonasul deve ser realizada nesta sexta, às 11h. "Vai ser uma conversa técnica com os técnicos da Coordenadoria, orientando todas as medidas de controle e protocolos já existentes", explica Caroline, que ressalta que o monitoramento e o cumprimento desses protocolos deverão ser intensificados.

Medidas de prevenção não devem ser esquecidas

Cidade vizinha a Rio Grande, Pelotas vê situação com atenção. A secretária de Saúde (SMS), Roberta Paganini, diz que o município "não quer ter números que levem a uma piora do cenário da pandemia". "Temos observado o relaxamento dos cuidados de prevenção por parte da população e também temos consciência de que casos da variante Delta foram registrados na região, então já tínhamos uma expectativa de que isso pudesse acontecer", comenta.

"Para combater isso, precisamos novamente chamar a atenção de todos para que retomem as medidas de prevenção, além de avançar o máximo possível na vacinação, nas aplicações de segunda e terceira dose, principalmente, pois neste momento a vacinação é a nossa principal estratégia de proteção ao avanço do vírus", defende a responsável pela pasta, que informa que a SMS antecipou a segunda dose da Pfizer e anunciou ontem a aplicação da D1 para jovens com 12 anos ou mais para frear a piora recente nos números.

Variante Delta: por que tão temida?

O epidemiologista da Universidade Federal de Pelotas (UFPel), Fernando Barros, explica que a variante Delta se multiplica mais e é mais contagiosa. Segundo ele, a taxa de letalidade, até o momento, parece ser a mesma. "Mas como mais pessoas podem ser infectadas, mesmo se a [taxa de] letalidade não mudar, o número de óbitos vai ser maior", frisa.

Para evitar este cenário, Barros ressalta que o conselho é o de sempre: "vacinar toda a população, teste e isolamento de infectados e contactantes, uso de máscaras e distanciamento social".


Comentários


Diário Popular - Todos os direitos reservados