Pandemia

Medidas drásticas são adotadas na região

Casos confirmados em Bagé acendem sinal de alerta na Zona Sul; Pelotas, Canguçu, São Lourenço do Sul e Chuí fecham comércios não essenciais

20 de Março de 2020 - 21h01 Corrigir A + A -
Bagé foi a primeira cidade da metade sul a paralisar todo o comércio. (Foto: Tiago Rolim de Moura - Jornal O Minuano - Especial)

Bagé foi a primeira cidade da metade sul a paralisar todo o comércio. (Foto: Tiago Rolim de Moura - Jornal O Minuano - Especial)

A confirmação dos primeiros casos de Covid-19 na Metade Sul do Estado acenderam um sinal de alerta em toda a região. Na sexta-feira, pelo menos quatro municípios que integram a Zona Sul decretaram ordens para fechar o comércio considerado não essencial. A decisão é para manter as pessoas em casa, em isolamento, a fim de evitar a propagação do novo coronavírus, apesar de ainda não terem casos confirmados na Zona Sul pelos dados oficiais, tanto dos municípios como da Secretaria Estadual de Saúde (SES). Em Rio Grande, a Câmara dos Dirigentes Lojistas (CDL) recomendou o fechamento do comércio a partir da próxima segunda-feira.

Os decretos de calamidade ou de situação de emergência envolvem Pelotas, São Lourenço do Sul, Canguçu e Chuí. Em todos estes municípios, a determinação é por fechar a maioria dos estabelecimentos. Exceto São Lourenço do Sul e Canguçu, que também mantêm abertos estabelecimentos da área agropecuária, nos quatro municípios permanecerão funcionando apenas farmácias, clínicas de saúde, instituições bancárias, postos de combustíveis, restaurantes e supermercados.

O Rio Grande do Sul confirmou, na sexta-feira, 56 casos. As novas confirmações foram em Charqueadas, São Leopoldo, Taquara, Dois Irmãos, Eldorado do Sul, Canoas, Alvorada, Torres e Porto Alegre. Entre os confirmados, está uma menina de cinco anos.

Casos suspeitos na região
Diariamente aumenta o número de suspeitos na região. Pelotas lidera o número de casos suspeitos, com 44. No boletim divulgado na quinta, eram 26. Já Candiota, cidade da região mais próxima a Bagé, saiu do mapa de suspeitos, descartando o único paciente que apresentava sintomas.

Casos confirmados na Metade Sul
- Mulher, 67 anos, de Santana do Livramento
- Homem, 55 anos, de Santana do Livramento
- Homem, 59 anos, de Bagé
- Homem, 58 anos, de Bagé

Bagé em alerta
A coordenadora do Centro de Operações de Emergência de Bagé, Flávia Marzola, diz que a rotina do município mudou após a confirmação de dois casos. Mesmo assim, comenta, ainda são vistas pessoas caminhando na rua, contrariando orientações de órgãos de saúde. "O pessoal ainda não está entendendo. Já chegou na região", comenta.

Sobre os casos confirmados na cidade, ela confirma que um é profissional da saúde. Ele esteve no Rio de Janeiro, quando o Estado não era considerado de risco. Quando retornou, trabalhou por dois dias, o que gerou a transmissão para um outro colega, da equipe diretiva de um hospital da cidade. Os sintomas começaram a aparecer três dias depois do retorno da viagem - são os casos considerados assintomáticos, quando a pessoa não apresenta sinais e sintomas. "A partir do momento que apareceu a febre, fez exames e ficou em isolamento", disse. O trabalho agora é mapear as pessoas que tiveram contatos com os casos confirmados.

Jaguarão pede o fechamento da fronteira
Um ofício encaminhado ontem pelo prefeito de Jaguarão, Favio Telis (MDB), enviou um ofício ao presidente Jair Bolsonaro (sem partido), solicitando o fechamento da fronteira com o Uruguai. O pedido é justificado pelos mais de 90 casos confirmados no país vizinho. O pedido não envolve os moradores fronteiriços.

Casos suspeitos na região
Arroio Grande - 4
Canguçu - 2
Capão do Leão - 8
Jaguarão - 3
Pelotas - 44
Pinheiro Machado - 2
Piratini - 2
Rio Grande - 7
Santa Vitória do Palmar - 4
Santana da Boa Vista - 2
São José do Norte - 2
São Lourenço do Sul - 1


Comentários


Diário Popular - Todos os direitos reservados