Zona Sul

Licenças que autorizam operação de Linhas de Transmissão de Energia no Sul são inauguradas

O novo investimento promete integrar o potencial eólico do Estado

24 de Agosto de 2021 - 10h02 Corrigir A + A -

Por: Redação
web@diariopopular.com.br

O investimento de R$ 2,4 bilhões será promissor para efetivar a integração do potencial eólico gaúcho (Foto: Divulgação - DP)

O investimento de R$ 2,4 bilhões será promissor para efetivar a integração do potencial eólico gaúcho (Foto: Divulgação - DP)

A tarde desta segunda-feira (23) foi marcada pela entrega de Licenças de Operação (LOs) ao Rio Grande do Sul. A inauguração, que ocorreu na subestação Povo Novo, em Rio Grande, formalizou a concessão de duas LOs com Estudo de Impacto Ambiental e Relatório de Impacto Ambiental (EIA/RIMA) ao Consórcio Chimarrão Transmissora de Energia S.A.. Essas linhas de transmissão vão ligar a Região Metropolitana ao Sul do Estado.

O investimento de R$ 2,4 bilhões será promissor para efetivar a integração do potencial eólico gaúcho. Com uma extensão de 421,73 quilômetros, as linhas passarão pelos municípios de Barão do Triunfo, Camaquã, Capão do Leão, Cerro Grande do Sul, Cristal, Eldorado do Sul, Guaíba, Mariana Pimentel, Pelotas, Rio Grande, Santa Vitória do Palmar, Sertão Santana, São Lourenço do Sul e Turuçu.

As linhas que saem da Região Sul partem da subestação Santa Vitória do Palmar e chegam à subestação Povo Novo, passando pelos municípios de Santa Vitória e Rio Grande. Já as linhas que conectam a Região Metropolitana interligam a subestação Guaíba 3 às subestações Nova Santa Rita e Gravataí, passando por Eldorado do Sul, Charqueadas, Triunfo, Montenegro, Nova Santa Rita, Portão, Sapucaia do Sul e Gravataí.

Para o secretário estadual do Meio Ambiente e Infraestrutura, Luiz Henrique Viana (PSDB), a LO representa mais que um auxílio em energia. "Esta licença de operação é importantíssima porque garante o início das atividades das linhas de transmissão. É um reforço em energia, sim, mas também muito mais: é um fôlego novo na atração de empresas, que agora terão mais infraestrutura, e na consequente geração de empregos. A Zona Sul só tem a ganhar porque será diretamente beneficiada, a partir de Rio Grande, do Povo Novo", completou.

A presidente da Fepam, Marjorie Kauffmann, destacou a qualidade da obra e o orgulho de poder vê-lo entregue. "Esse foi um grande trabalho de projeto ambiental e de licenciamento que contou com muito empenho e rigor técnico por parte da Fepam. Por isso é uma alegria ver essa obra pronta para operar, dentro de todos os requisitos ambientais".

Consórcio Chimarrão

Formado pelas empresas Cymi, Cobra e Quantum, o Consórcio Chimarrão arrematou, em dezembro de 2018, o Lote 10 do Leilão de Transmissão nº 004/2018 da Aneel. O conjunto de obras compreende 1,2 mil quilômetros de linhas de transmissão e duas novas subestações de energia (Candiota 2 e Guaíba 3). O investimento total é de R$ 2,4 bilhões, com geração de seis mil empregos.


Comentários


Diário Popular - Todos os direitos reservados