Estiagem

Herval declara situação de emergência

Estiagem que atinge a região motivou a medida adotada pelo Executivo hervalense

11 de Janeiro de 2022 - 10h34 Corrigir A + A -
Seca. Soja, milho e feijão estão entre as culturas mais afetadas. (Foto: Divulgação - DP)

Seca. Soja, milho e feijão estão entre as culturas mais afetadas. (Foto: Divulgação - DP)

A estiagem que se estende em Herval durante os últimos meses tem provocado diversos danos severos, principalmente no setor primário. Somando o cenário à ausência de chuvas previstas para as próximas semanas, a prefeitura decidiu por decretar ontem situação de emergência por estiagem no município.

A medida foi tomada após parecer da Coordenadoria Municipal da Defesa Civil hervalense e reuniões com secretarias municipais. De acordo com os laudos, as principais culturas afetadas são as da soja, do milho, da abóbora japonesa e do feijão, além da produção pecuária de bovinocultura leiteira e de corte, prejuízo que já soma aproximadamente R$ 30 milhões. A Secretaria de Agropecuária estima que, em um período de 99 dias, houve apenas 35% de precipitações pluviométricas do necessário para o período, ocasionando a estiagem.

A Secretaria da Agricultura já está auxiliando munícipes que estão enfrentando a falta de água, principalmente em propriedades rurais, disponibilizando água potável às localidades mais atingidas, numa tentativa de amenizar os efeitos da estiagem. Agora, com o decreto em vigor, o Poder Público poderá mobilizar todos os órgãos municipais para atuarem nas ações de resposta ao desastre e na reabilitação do cenário e reconstrução.

O decreto será encaminhado aos órgãos de Defesa Civil estaduais e federais para reconhecimento nos diversos níveis. A declaração de emergência, após o reconhecimento dos demais entes federados, permite ações e aplicação de recursos com maior intensidade no combate à estiagem, além de favorecer o acesso a benefícios socioeconômicos e jurídicos aos atingidos diretamente pela situação.

Herval é o primeiro município da região a decretar situação de emergência em função da estiagem. Rio Grande também definiu apelar à medida, após reunião do Conselho Municipal de Desenvolvimento da Agropecuária, Pesca, Micro e Pequena Empresa do Rio Grande (Comaperg), que reúne várias entidades, entre as quais a prefeitura, a Defesa Civil e a Emater/Ascar. A ideia é que toda a documentação necessária para elaboração do documento fosse reunida até ontem, o que abre a possibilidade do prefeito Fábio Branco (MDB) assiná-lo ainda esta semana.


Comentários


Diário Popular - Todos os direitos reservados