Transporte

Empresa absorve parte do efetivo da Noiva do Mar

Segundo sindicato da categoria, 70% dos funcionários, incluindo cobradores e motoristas, ocuparão os postos na Transpessoal

16 de Maio de 2022 - 21h23 Corrigir A + A -
Transpessoal assumiu as rotas e absorveu cerca de 70% do efetivo da antiga empresa, entre eles, todos os motoristas e cobradores (Foto:Álvaro Guimarães - PMRG)

Transpessoal assumiu as rotas e absorveu cerca de 70% do efetivo da antiga empresa, entre eles, todos os motoristas e cobradores (Foto:Álvaro Guimarães - PMRG)

No primeiro dia útil após as mudanças no transporte coletivo em Rio Grande, o clima era de quase normalidade, conforme a prefeitura e o Sindicato dos Trabalhadores do Transporte Rodoviário (STTR). Fora alguns atrasos, as linhas operaram normalmente. O cenário é bastante diferente da última sexta-feira, 13, quando boa parte dos trabalhadores da Noiva do Mar protestaram no Centro da cidade após o anúncio de que o município, alegando uma série de problemas, não renovaria o contrato com a empresa que opera há cinco décadas as linhas de ônibus da cidade. Em seu lugar, a Transpessoal assumiu as rotas e absorveu cerca de 70% do efetivo da antiga empresa, entre eles, todos os motoristas e cobradores.

Segundo o presidente do Sindicato dos Trabalhadores do Transporte Rodoviário de Rio Grande, Fábio Machado, esta segunda-feira foi dia de tentar organizar as questões após aquilo que definiu como “uma bomba” que estourou na sexta. Ele reclama que o sindicato não foi avisado previamente, mas dá razão à prefeitura para a não renovação do contrato. “Já não dava mais”, analisa, citando uma série de problemas, mencionados também pelo prefeito Fábio Branco (MDB) quando anunciou a mudança.

Entre as adversidades estão questões trabalhistas. Machado alega que parte dos funcionários ainda está com o salário de abril em atraso, que o FGTS não era depositado, acordos trabalhistas não eram cumpridos e questões fiscais eram desrespeitadas. Ele pede que os profissionais com vínculo com a Noiva do Mar procurem o STTR, seja para realizar a baixa trabalhista e o acerto com a Transpessoal, ou para solicitar o saque do fundo de garantia e o auxílio desemprego.

O sindicalista explica que o número de 224 trabalhadores ligados à empresa, citado na sexta-feira, acabou não sendo confirmado na prática, pois diversos desses vínculos são pertencentes a pessoas que estavam afastadas. No total, 187 pessoas trabalhavam ativamente e, segundo ele, 70% desse total será absorvido, sendo todos os motoristas e cobradores, além de mecânicos, funcionários de limpeza e outros postos. Machado aponta que apenas os funcionários dos setores administrativos, como recursos humanos e financeiro, ficarão sem vínculo.

Prefeitura avalia a mudança
O secretário municipal de Transporte e Trânsito, Anderson Castro, diz que apesar de alguns relatos de atrasos em linhas, a mudança vem sendo satisfatória na prática. Nesta segunda-feira eram 65 veículos circulando e, pela mudança, inclusive de rota de alguns funcionários, avalia ser natural esses problemas iniciais, que devem se estender por alguns dias até alcançar a normalidade.

Castro diz ainda que as questões trabalhistas envolvendo a Noiva do Mar, apesar de serem acompanhadas a distância pela prefeitura, acabaram pesando na decisão da não-renovação do contrato, pois as queixas eram constantes. O secretário pede paciência e colaboração à população, pela fase de ajustes. Tanto agentes de Trânsito quanto o telefone 156 estão disponíveis para reclamações e comentários. Os horários de linhas podem ser acessados nos sites transpessoalrg.com.br ou horarios.maisriogrande.com.br.

Nova licitação deve demorar
O secretário Castro explica que a Universidade Federal do Rio Grande (Furg) foi contatada para criar um plano de mobilidade urbana para o município, dividido em quatro livros, e um deles será referente ao transporte público. A avaliação é que o processo deve levar pelo menos um ano e que o prudente é aguardar pela análise técnica antes de lançar um processo licitatório, o que deverá ocorrer apenas em 2023.

Contratada em regime de emergência por seis meses para cobrir as linhas deixadas pela Noiva do Mar, a Transpessoal, antes responsável por pouco menos da metade das rotas do município, será avaliada e poderá ter o contrato renovado por mais um período, caso a percepção seja positiva. O secretário preferiu não tecer comentários quanto à possibilidade, pelas mudanças serem recentes. “Primeiro a gente tem que ter essa normalidade”, encerra.

Noiva do Mar não se pronuncia
A reportagem fez contato com a Assessoria de Comunicação da Noiva do Mar, que informou não prestar mais serviços à empresa. Em tentativa de conversa por telefone, ouviu de um funcionário que o clima é de “despedida”, com apenas questões administrativas sendo finalizadas, e que a direção não estava no local naquele momento.


Comentários


Diário Popular - Todos os direitos reservados