Zona Sul

Chuva dos últimos dias causou estrago na zona rural dos municípios

Piratini teve nove pontes completamente destruídas e outras 14 com danos pontuais; Pelotas teve cerca de 70% das vias do interior comprometidas

21 de Setembro de 2021 - 20h22 Corrigir A + A -
Piratini registra um dos piores cenários da região (Foto: Divulgação - DP)

Piratini registra um dos piores cenários da região (Foto: Divulgação - DP)

A chuva dos últimos dias provocou inúmeros estragos no interior da Zona Sul. A infraestrutura viária das cidades foi bastante afetada pelos temporais, que deixaram estradas em más condições de tráfego e pontes completamente destruídas, dificultando o dia a dia dos moradores. Além disso, o mau tempo gerou prejuízo aos municípios que, agora, têm o desafio de recolocar tudo em ordem.

Piratini registra um dos piores cenários da região. De acordo com o secretário de Infraestrutura e Logística do município, Alessandro Krause, nove pontes de madeira foram completamente destruídas e outras 14 tiveram danos pontuais, a maioria nas cabeceiras. O pior problema ocasionado pelas precipitações foi a danificação da ponte do Barrocão, que liga o 3º ao 4º Distrito. Nessa localidade, a maior preocupação de Krause é com o polo madeireiro da cidade, que necessita da ponte diariamente para o escoamento.

Um dos empresários do local explica que com a danificação da ponte o escoamento da matéria-prima - toras, biomassa e madeira - é afetado diretamente. Com isso, os caminhões que fazem o trajeto para a região de Santa Cruz do Sul, por exemplo, precisam vir até Pelotas. Isso resulta no acréscimo de 150 quilômetros no percurso, além de gastos com pedágio e gasolina. Outro ponto destacado pelo empresário é o cancelamento da linha de ônibus que cruza o local. Desse modo, moradores do distrito e alguns funcionários do polo precisam recorrer a outros meios e caminhos para chegar no destino desejado.

Além disso, o município apresentou transtornos com bueiros e alguns pontos de erosão. "Mas já estamos com as equipes nas ruas lidando com essas demandas", diz o secretário, que não esconde a frustração com o acontecimento, já que, segundo ele, os 7,2 mil quilômetros de estrada de chão da cidade vinham sendo requalificados periodicamente. Sobre os prejuízos e gastos com as reformas, ainda não é possível calcular, mas devido às parcerias da prefeitura esse ainda não é um assunto que assusta o Executivo.

Em Canguçu, a situação também não é boa. "Estamos com problemas sérios", resume o secretário de Infraestrutura Rural, Carlos Alberto Vargas. Mesmo sem um levantamento completo, ele afirma que os problemas mais sérios são as pontes e os acessos, principalmente do transporte escolar e das equipes de reparo. O município possui oito mil quilômetros de estrada de chão e mais de mil pontes. A preocupação maior é com uma estrutura do 5º Distrito, que liga a cidade a São Lourenço do Sul. "É a mais complicada. Ela foi reconstruída há duas semanas e já está destruída novamente", lamenta Vargas.

No interior de Pelotas, a chuva provocou estragos em estradas de acesso aos distritos e cerca de 70% das vias ficaram comprometidas. O patrolamento depende da secagem do solo que, em alguns pontos, já começará hoje. Conforme informa a Secretaria de Desenvolvimento Rural (SDR), apenas uma ponte está interditada em função da água ter passado por cima da estrutura, no arroio Santa Maria, no 7º distrito. Outras três pontes também receberam atenção da SDR durante o dia de ontem: a da Prainha, no Monte Bonito, e duas da Colônia de Pescadores Z-3 que tiveram o aterro das cabeceiras levado pelas águas.

Outros municípios

Em Cerrito, as fortes chuvas não chegaram a ocasionar problemas graves, mas algumas pontes tiveram suas cabeceiras danificadas, sem chegar a prejudicar o tráfego de veículos e pessoas. De acordo com o secretário de Desenvolvimento Rural, Marcus Duarte, as equipes da pasta já estão nas estradas fazendo a reposição do saibro e, em seguida, tudo estará normalizado. Na cidade vizinha, Pedro Osório, o secretário de Obras, Caco Bettanzas, informou que, até o fechamento desta edição, a Secretaria não tinha recebido nenhum chamado, mas, mesmo assim, ele estava circulando pelas estradas para fazer um balanço.

Em São Lourenço do Sul, a situação também é relativamente tranquila. "Pelo volume de chuva não tivemos grandes estragos", relata o secretário de Desenvolvimento Rural, Moisés Araújo. Ele relata que ontem circulou pelas estradas do interior e que a chuva causou apenas danos nas cabeceiras das pontes e o entupimento de alguns bueiros. "Hoje observamos a situação, agora é aguardar a previsão dos próximos dias e depois colocar as equipes in loco", explica.


Comentários


Diário Popular - Todos os direitos reservados