Pandemia

Centros de Atendimento da região recebem verba para combate à Covid-19

Prefeituras de Arroio Grande e de Canguçu contarão com repasse de R$ 60 mil, por mês; em todo o Estado, 31 cidades serão contempladas com o recurso do Ministério da Saúde

25 de Junho de 2020 - 08h41 Corrigir A + A -

Por: Michele Ferreira
michele@diariopopular.com.br 

Prefeitura de Pelotas deve requerer o repasse de verbas; tema será debatido nesta quinta-feira. Plano é ampliar o atendimento do Centro Covid também para adultos (Foto: Jô Folha - DP)

Prefeitura de Pelotas deve requerer o repasse de verbas; tema será debatido nesta quinta-feira. Plano é ampliar o atendimento do Centro Covid também para adultos (Foto: Jô Folha - DP)

Dois municípios da região passarão a contar com repasses do Ministério da Saúde aos Centros de Atendimento para Enfrentamento da Covid-19. A verba mensal temporária, no valor de R$ 60 mil, ajudará as Secretarias de Saúde de Arroio Grande e de Canguçu a cobrirem parte das despesas das estruturas organizadas para evitar que cidadãos com sintomas respiratórios peregrinem pela rede. Ao todo, 31 cidades gaúchas serão contempladas com os recursos de custeio.

Em todo o país, 807 Centros instalados em 767 municípios contarão com a verba excepcional, que atingirá R$ 251,4 milhões - confirma a portaria federal 1.579. A expectativa é de que, na sequência, outras prefeituras também recebam o reforço no caixa, para terem fôlego financeiro para investir no combate ao novo coronavírus. Pelotas deve entrar na lista dos municípios que irá requerer o repasse.

O objetivo é bem claro: investir na identificação precoce de casos do novo coronavírus. Com os Centros em operação, além de qualificar as ações para evitar a transmissão da Covid-19, ainda é possível permitir que outros serviços oferecidos através da rede de atenção básica pelo Sistema Único de Saúde (SUS) - como de acompanhamento de pacientes com doenças crônicas como diabetes e hipertensão - possam retomar a rotina.

"Recurso em muito boa hora"

Desde o dia 17 de março, a Secretaria de Saúde de Arroio Grande transformou o espaço amplo do Centro do Idoso, anexo à Unidade Zona Leste, em referência temporária a todos os atendimentos a Síndromes Gripais.

O fato de médicos da rede pertencerem a grupos de risco fez com que estivessem, naturalmente, excluídos da possibilidade de atuar no Centro de Enfrentamento à Covid-19. A prefeitura, portanto, contratou uma empresa que passou a responder tanto pelos plantões no local quanto pelo suporte 24 horas das equipes volantes que, acionadas pela Central Telefônica, realizam visitas a domicílio para evitar a circulação de pacientes por diferentes unidades.

Enfermeiros e técnicos de Enfermagem também precisaram ser contratados. Sem falar em reforço de profissionais para limpeza, que inclui pulverização e desinfecção de ruas. "Tudo isso gerou um alto custo", argumenta a secretária de Saúde, Janaína Kosbi, ao enfatizar a importância do repasse. A expectativa é de que, além de auxiliar nos gastos com Recursos Humanos, a verba também possa ser injetada em ações como a testagem da população.

O Centro funciona durante 12 horas, nos sete dias da semana.

Em Canguçu, desembolso também pesa no orçamento

O trabalho do Centro para Enfrentamento da Covid-19 também já está em andamento, junto ao Pronto Atendimento Municipal. Todo o desembolso, entretanto, ocorre com recursos próprios - explica o secretário de Saúde, Eliezer Timm, mas não especifica cifras.

A contratação de médico e de equipe de Enfermagem, para realizarem atendimento exclusivo no local, desponta entre os maiores gastos. Higienização e Equipamentos de Proteção Individual (EPIs) também elevam os custos. O repasse de R$ 60 mil, por mês, chega, portanto, para desafogar o caixa.

Saiba mais do funcionamento dos Centros

Os Centros de Atendimento para Enfrentamento da Covid-19 devem incluir estrutura como consultório e salas de acolhimento, de isolamento e de coleta. Podem ser instalados em estabelecimentos, como Unidades de Saúde, Unidade Mista, Policlínica e Centros Especializados. Devem permanecer de portas abertas à comunidade por 40 horas por semana e contar com médico, enfermeiro e técnico ou auxiliar de Enfermagem.

Os repasses de verba variam conforme o porte. Confira:

- Centro Tipo 1: para municípios de até 70 mil habitantes - R$ 60 mil, por mês
- Centro Tipo 2: para municípios entre 70 e 300 mil habitantes - R$ 80 mil, por mês
- Centro Tipo 3: para municípios com mais de 300 mil habitantes - R$ 100 mil por mês

Em Pelotas, plano é ampliar atendimento do Centro Covid

Ainda não há data definida, mas a Secretaria de Saúde tem se debruçado na montagem de escalas médicas que permitam ampliar a atuação do Centro de Atendimento a Síndromes Gripais - o Centro Covid -, hoje de portas abertas apenas para as crianças com sintomas respiratórios. Um levantamento indica que para acolher também os adultos seriam necessários, pelo menos, três profissionais durante o dia e dois à noite. 

A fase, portanto, é de ajustes, para que a prefeitura possa identificar quantos médicos precisariam ser contratados, para fechar as escalas. Sem contar que como o Centro Covid oferece atendimento de Unidade de Tratamento Intensivo (UTI), as equipes precisam ter o perfil que se encaixe em lidar com situações de urgência e emergência.

Uma reunião, possivelmente nesta quinta-feira (25), entre a secretária de Saúde, Roberta Paganini, e a prefeita Paula Mascarenhas (PSDB) colocará na pauta a reivindicação de recursos de custeio à União; como estes do montante anunciado pela portaria 1.579, de 19 de junho.

Não esqueça: o Centro Covid funciona de domingo a domingo, ao longo de 24 horas, no prédio da Unidade de Pronto Atendimento (UPA) Bento, no prolongamento da avenida.

 


Comentários


Diário Popular - Todos os direitos reservados