Diário de Verão

Barra do Chuí: o balneário mais austral do Brasil

Na série especial sobre as praias da região, neste final de semana, o DP convida você a conhecer belezas das praias do extremo sul

08 de Janeiro de 2022 - 12h31 Corrigir A + A -

Por: Michele Ferreira
michele@diariopopular.com.br 

Cenários. Paisagem composta por molhes e farol, na divisa Brasil-Uruguai, é uma das mais belas (Foto: Jô Folha - DP)

Cenários. Paisagem composta por molhes e farol, na divisa Brasil-Uruguai, é uma das mais belas (Foto: Jô Folha - DP)

Praia, em geral, tem alta presença dos hermanos (Foto: Jô Folha - DP)

Praia, em geral, tem alta presença dos hermanos (Foto: Jô Folha - DP)

Prática de surf também é uma das pedidas por lá (Foto: Jô Folha - DP)

Prática de surf também é uma das pedidas por lá (Foto: Jô Folha - DP)

A família uruguaia Nestor Rabaza, Marcela Cabrera e o pequeno Manuel, de dois anos, fazem questão de passear pela Barra do Chuí brasileiro (Foto: Jô Folha - DP)

A família uruguaia Nestor Rabaza, Marcela Cabrera e o pequeno Manuel, de dois anos, fazem questão de passear pela Barra do Chuí brasileiro (Foto: Jô Folha - DP)

Conchinhas acumuladas na beira da praia ajudam a embelezar a paisagem (Foto: Jô Folha - DP)

Conchinhas acumuladas na beira da praia ajudam a embelezar a paisagem (Foto: Jô Folha - DP)

No dia em que o DP esteve no local, visitantes subiam nos molhes para acompanhar movimentação de golfinhos (Foto: Jô Folha - DP)

No dia em que o DP esteve no local, visitantes subiam nos molhes para acompanhar movimentação de golfinhos (Foto: Jô Folha - DP)

Visitar a Barra do Chuí é conhecer um dos mais belos cartões-postais de Santa Vitória do Palmar. Na região dos Molhes, o turista pode dividir as atenções entre apreciar o Farol - embora não esteja aberto à visitação - e observar a divisa com a Barra do Chuy uruguaio. Detalhe: quando o DP esteve no local na manhã da terça-feira, 28 de dezembro, os olhares e as câmeras estavam todos voltados para um mesmo ponto: acompanhar os golfinhos que desfilavam pelo mar em grupo de quatro animais.

Quem pisava nas areias da Barra brasileira pela primeira vez, encantava-se com o passeio. "É espetacular. É uma maravilha, porque nas praias de Montevidéu não te deixam passar com o veículo. Está espetacular. Muito lindo. As pessoas nos receberam muito bem, sem palavras", enfatiza a comerciária Verónica Tizon, 37. E, ao projetar as próximas férias ao lado do marido e dos filhos, de dois e de 15 anos, a uruguaia já sabe o destino: "Vamos vir de novo pra cá".

Já a família do leiloeiro público Nestor Rabaza, 65, está acostumada a passar las vacaciones na Barra do Chuí. E a distância não é problema. Eles deixam Colônia do Sacramento e rodam mais de 500 quilômetros para chegar, mas sabem que valerá a pena: "As praias são lindas. As pessoas são muito agradáveis e ainda aproveitamos pra fazer umas comprinhas", destaca o uruguaio. A única ressalva é a condição das ruas, que precisariam de manutenção. Nos outros quesitos, só elogios. E, claro, alguns mergulhos, junto ao filho Manuel Rabaza, de dois anos, e à mulher Marcela Cabrera. "Temos que aproveitar a água salgada".

Prefeitura cobra melhorias na ERS-699

O acesso à Barra não é motivo de queixa recorrente apenas de moradores e de visitantes. A prefeitura de Santa Vitória também aguarda - e cobra - melhorias. As obras completas que deveriam ter ocorrido quando instalado o Parque Eólico, não foram realizadas pelas empresas responsáveis pela geração de energia, como estabelecido como contrapartida, após os estragos na estrada - explica o secretário de Esporte, Cultura e Turismo, Marco Petruzzi.

De lá pra cá, o Departamento Autônomo de Estradas de Rodagem (Daer) só implementa operações tapa-buracos na ERS-699. E, nos últimos tempos, nem isto. "Santa Vitória ficou a ver navios. Estamos sendo impotentes. Nem o governo do Estado cumpriu com o que prometeu", desabafa. E, embora admita que a estrada - de aproximadamente nove quilômetros - precise de um recapeamento total, espera que, ao menos "algo emergencial" saia do papel.

O que diz o Daer

Até a primeira quinzena de fevereiro devem ser concluídos reparos para melhorar as condições de trafegabilidade da rodovia - informou a autarquia, via assessoria de imprensa. Nos últimos dias, após contato do DP, remendos e recapeamentos asfálticos começaram a ser realizados nos trechos mais críticos.

Fique atento!

- Atenção ao transitar em veículos: Os condutores que circularem pela orla até escolher um local para parar devem redobrar a atenção, na Barra do Chuí. "Em um ano ventoso, as dunas se movimentam. Por isso, temos preocupação com a segurança, principalmente, das crianças", ressalta o secretário Marco Petruzzi. Portanto, o apelo é para que os motoristas circulem com cuidado e o mais longe possível da beira d´água.

Veja a programação cultural:

* Beach Tennis: 14, 15 e 16 de janeiro
* Rústica: 19 de fevereiro
* Festival Náutico Ventos do Sul: 11, 12 e 13 de fevereiro 

- Confira as distâncias:

* Pelotas - Barra do Chuí: 270,7 Kms (via BR-471) - acesso ao balneário pela ERS-699
Não esqueça: no caminho, ainda na BR-392, você passará por um posto de pedágio, em Rio Grande. Valor de R$ 12,30.

- Veja os horários de ônibus:

* Pelotas - Santa Vitória do Palmar: 7h, 13h e 18h
Valor (no caso de embarcar direto na rodoviária): R$ 67,95 e um seguro opcional no valor de R$ 4,80
Detalhe: Não existem linhas que façam conexão direta entre Pelotas e as praias vitorienses.

 


Comentários


Diário Popular - Todos os direitos reservados