Pandemia

Azonasul recomenda cancelamento de eventos até o final do ano

Regras de distanciamento social, escassez de verbas para patrocínio e tempo limitado para organização despontam entre os argumentos

29 de Maio de 2020 - 21h21 Corrigir A + A -

Por: Michele Ferreira
michele@diariopopular.com.br 

Festa do Morango e da Pimenta não ocorrerá no final de outubro, em Turuçu, como já é tradicional

(Foto: Divulgação)

Festa do Morango e da Pimenta não ocorrerá no final de outubro, em Turuçu, como já é tradicional (Foto: Divulgação)

Reponte da Canção, em São Lourenço do Sul, está na lista de eventos já suspensos

(Foto: Infocenter DP)

Reponte da Canção, em São Lourenço do Sul, está na lista de eventos já suspensos (Foto: Infocenter DP)

Prefeitura de Piratini  sentará com a comissão organizadora da Semana Farroupilha, para decidir como ficará a programação

(Foto: Carlos Queiroz)

Prefeitura de Piratini sentará com a comissão organizadora da Semana Farroupilha, para decidir como ficará a programação (Foto: Carlos Queiroz)

O segundo semestre de 2020 deve ser sem eventos que gerem aglomeração de público, na região. A Associação dos Municípios da Zona Sul (Azonasul) emitiu documento com recomendação para as prefeituras cancelarem as agendas previstas até o final de 2020, em respeito às orientações de distanciamento social defendidas pelos Comitês de Crise e pela Organização Mundial de Saúde (OMS). A recomendação é válida tanto para o Poder Público, quanto para empresas privadas e entidades envolvidas na promoção de eventos.

O documento é fruto de debate ocorrido em reunião de prefeitos, por videoconferência. No texto, a Azonasul destaca que alterações poderão ocorrer, na carona de mudanças em decretos estadual e municipais, respaldados por protocolos técnicos que confirmem ser possível modificar medidas de prevenção. "Neste momento, não podemos correr o risco de contaminação", lembra o presidente da Azonasul e prefeito de Arroio Grande, Luís Henrique Pereira (PP).

A crise econômica, inclusive, para obter parceiros que queiram investir em eventos e a necessidade de canalizar todos os esforços financeiros para o enfrentamento do novo coronavírus, também reforçam os argumentos para tomada de decisão unificada entre os gestores da região. "Com isso, não estamos dando as costas para a Cultura", sustenta Pereira. E lembra que os municípios passam a recorrer a verbas dos Fundos Municipais ou ao lançamento de editais para incentivar a produção artística local, através de lives e eventos nas redes sociais.

Em Pelotas, Secretaria de Turismo também volta o alvo a ambientes virtuais
O secretário de Desenvolvimento, Turismo e Inovação, Gilmar Bazanella, engrossa o coro das dúvidas quanto à disponibilidade de verba de eventuais patrocinadores e de prazos viáveis para montagem de grandes eventos, ainda que a condição de circulação da doença estivesse sob controle no Rio Grande do Sul, nos últimos meses do ano. Discussões já começam a ser aprofundadas, portanto, para criação de aplicativos que permitam, por exemplo, a visitação pelo patrimônio histórico de Pelotas, com a contratação de guia turístico.

A definição de um período específico em que se pudesse estimular e provocar o consumo de doces artesanais - marca que torna a cidade conhecida nacionalmente - também é uma das alternativas em debate. "Estamos avaliando possibilidades, para que a gente valorize aspectos tão importantes da nossa cultura, como as doceiras", enfatiza o secretário.

O Diário Popular tentou contato com a Câmara de Dirigentes Lojistas (CDL), para verificar posição sobre o futuro da Feira Nacional do Doce (Fenadoce), mas ficou sem retorno. Na página inicial do evento, segue o mesmo comunicado: Trabalho de formiga é assim: cada um faz a sua parte, que o resultado coletivo vem. Os próximos dias são de alerta e prevenção e ninguém pode ficar de fora! Por isso, a nossa feira foi adiada e, por enquanto, não há uma nova data definida. Em breve, mais informações.

 Confira alguns cancelamentos previstos 
- Turuçu: O maior evento da cidade, a Festa do Morango e da Pimenta, está cancelado. Não irá ocorrer no final do mês de outubro, como tradicionalmente. Para realizá-lo, a prefeitura já precisaria começar a preparar os processos licitatórios - que, não raro, levam em torno de 90 dias - e fazer contatos com os artistas que subiriam ao palco. No caso de descumprimento dos contratos, haveria prejuízo aos cofres públicos. 

"Este não é um evento que se organize de uma hora para outra", ressalta a prefeita Selmira Fehrenbach (MDB). E lembra que a corrida em busca de patrocinadores, em um contexto de crise e demissões nas empresas, não seria favorável. O orçamento total da festa está estimado em aproximadamente R$ 180 mil. A expectativa é de que entre 15 mil e 20 mil pessoas pudessem circular pelo evento que, acima de tudo, valoriza o produtor local.

- São Lourenço do Sul: Apenas três programações permanecem como dúvida: a Semana Farroupilha, a Südoktoberfest e o Show da Virada. Reponte da Canção, Festival de Bandas, Festa do Colono e o Mental Tchê integram a lista de eventos suspensos - afirma o prefeito Rudinei Härter (PDT). No caso da festa germânica, há discussões para verificar a viabilidade de criar um formato em que o público recebesse o chope em casa. Ainda não existem definições.

- Piratini: Uma reunião nos próximos dias colocará a realização da Semana Farroupilha na pauta. O prefeito Vítor Ivan Rodrigues (PDT) sentará com membros da comissão organizadora para debater se é possível manter ao menos parte da programação. O evento é o principal da cidade e, entre os festejos farroupilhas, é o mais importante de toda a Zona Sul. Só no dia 20 de Setembro cerca de 30 mil pessoas costumam prestigiar o evento.

O contexto é de pandemia, o que nos gera uma insegurança. Precisamos ter tempo e aporte de recursos para organizá-lo e não sabemos quais as sequelas que ficarão deste momento que estamos enfrentando", explica o chefe do Executivo piratiniense.

Confira o panorama da Covid-19
- Na região
: O novo coronavírus, agora, chegou a dez municípios da região. Santa Vitória do Palmar entrou para lista, nesta sexta-feira (29), e já encerrou o dia com três casos confirmados. A cidade de Rio Grande deu um salto no número de registros e passou a um total de 33 infectados. Ao todo, a Zona Sul passa a contabilizar 154 casos de Covid-19. Confira o cenário na região:

- Pelotas: 81
- Rio Grande: 33
- Canguçu: 22
- São Lourenço: 6
- Piratini: 4
- Santa Vitória do Palmar: 3
- Pinheiro Machado: 2
- Capão do Leão: 1
- Candiota: 1
- Jaguarão: 1

 

- No Estado: O Rio Grande do Sul atingiu 8.843 casos confirmados, em 283 municípios. Até a noite desta sexta-feira eram 216 mortes; o equivalente a 2,4%.

 


Comentários


Diário Popular - Todos os direitos reservados