Inovação

Universo dos tokens: entenda o que são os NFTs

Conheça o ativo digital que representa objetos do mundo real como arte, itens de um jogo, vídeos e até imóveis digitais

05 de Novembro de 2021 - 07h21 Corrigir A + A -

Por: K2. – Assessoria e Comunicação Digital

contato@k2ponto.com.br

Imagem: Pixabay

Imagem: Pixabay

No começo desse mês, o famoso diretor e roteirista de cinema Quentin Tarantino anunciou que venderá sete cenas originais de seu clássico Pulp Fiction como NFT (Non-fungible Token, ou token não-fungível).

Na venda, que acontecerá por meio de um leilão, os NFTs serão secretos, isto é, construídos na Rede Secreta, em um blockchain privado.

Junto com o anúncio da venda de cenas exclusivas, Tarantino revelou que também farão parte do pacote alguns segredos sobre a obra e trechos do manuscrito original.

Essa notícia deixou os fãs do diretor e de sua obra em êxtase, sendo que muitas pessoas já estão se preparando para competir no leilão.

Mas, ao ler essa notícia, você pode estar se perguntando: afinal, o que são NFTs? 🤔

NFT é um ativo digital que representa objetos do mundo real (ou não), como arte, itens de um jogo, vídeos e até imóveis digitais.

E por ser não-fungível, o NFT não pode ser trocado por um equivalente. Para quem acha que NFT é a mesma coisa que criptomoeda, o fato de não ser fungível é a principal diferença, já que criptomoedas como o Bitcoin e vários outros tokens utilitários são mutuamente intercambiáveis (o contrário do NFT).

A noção de fungibilidade pode parecer complicada de entender, mas na verdade é bem simples: 

Um item que é fungível pode ser trocado por outro item igual, pois o valor não está atrelado à sua singularidade. Por exemplo, você pode trocar um bitcoin por outro bitcoin. Já com um item não-fungível não é possível fazer isso. É exatamente o que ocorre com os NFTs, já que cada token tem propriedades específicas e, portanto, não vale o mesmo que outro.

A transação para adquirir um NFT é realizada de forma totalmente online. Geralmente, essas compras e vendas envolvem criptomoedas.

Como funcionam as transações de NFTs?

Os NFTs não são uma coisa nova, mas ganharam notoriedade no último ano devido à expansão da discussão sobre o metaverso e por terem se tornado populares no mundo das artes.

As movimentações de NFTs acontecem devido ao blockchain, uma tecnologia que registra e avalia as transações realizadas com criptomoedas, através de uma rede que é descentralizada.

Esse tipo de transação tem sido realizada, principalmente, para compra e venda de obras de arte.

Se um artista quer vender sua obra, por exemplo, ele gera um token que funciona como um atestado codificado que garante que o material é original e único.

Como aponta a revista Exame, no último trimestre, apenas cinco NFTs movimentaram mais de R$ 155 milhões. Quatro deles são da série CryptoPunks, imagens de arte de 24x24 pixels geradas por um algoritmo.

O único NFT que não faz parte da série CryptoPunks é o token da coleção intitulado Ringers, que é composto por desenhos e linhas que passam por pinos ou roldanas. Ele também foi gerado automaticamente por um algoritmo.

A quantidade de dinheiro movimentada com os NFTs é uma das explicações para a popularização dos tokens.

Os NFTs têm se mostrado um negócio lucrativo, e por isso viraram alvo de muitos investidores que enxergam o seu potencial.

Mas, como em todo investimento, é preciso cautela. Os NFTs são recentes e muito dinâmicos. Por isso, não podem ser comparados a outros tipos de investimentos mais consolidados.

 “É um investimento muito volátil, então é bom sempre ser investido em fatias pequenas, explicou o CIO e sócio fundador da fintech Vitreo, Jojo Wachsmann, em uma entrevista para o Estadão.

O que pode ser considerado um NFT?

O NFT é desenvolvido a partir de objetos digitais. Eles podem representar algo que já existe no mundo real ou não.

Entre os principais exemplos de NFTs estão...

  • Arte

  • Vídeos

  • Cards digitais e negociáveis

  • GIFs

  • Avatares virtuais

  • Roupas para avatares

  • Música

… entre outros itens.

Já imaginou participar de um leilão online – como acontecerá com os vídeos de Tarantino – e comprar uma obra no valor de milhões de reais? 

Pense que você não recebe essa obra fisicamente, ela chega a você através de um formato digital. 

Colocando assim, não parece ficção científica? 🤖

E vais mais longe: os NFTs não se limitam aos exemplos acima. Imóveis também podem ser tokens não-fungíveis, por exemplo. 😱

A plataforma de negociação de venda e aluguel Imovelweb, em parceria com a empresa de tecnologia para mercado imobiliário Netspaces, lançou imóveis digitais.

Como funciona o imóvel digital? 

A pessoa compra o imóvel e a escritura que estão ligados a um token, o qual é criptografado e representa algo único, que não pode ser modificado.

Esse token é comercializado e, ao adquiri-lo, a pessoa passa a ser dona do imóvel.

Mas por que alguém faria isso? 🤔

Com a expansão da pesquisa e das ferramentas visando a criação de metaversos, muitas pessoas começaram a investir em versões digitais de imóveis.

A aceleração da “tokenização” das coisas

A pandemia de Covid-19 intensificou esse tipo de processo, já que negócios do ramo da arte e cultura não conseguiram realizar eventos presenciais.

Uma alternativa encontrada para reverter o problema foi organizar eventos online, como os leilões já mencionados, além de exposições e concertos de música.

Além disso, até um tweet pode ser vendido como NFT. Dá para acreditar? 😮

Esse tipo de mídia pode ser transformada em conteúdo tokenizado e vendida via NFT.

O CEO do Twitter, Jack Dorsey, realizou um leilão do primeiro tweet que ele escreveu na plataforma. O NFT de seu tweet foi vendido por mais de US $2,9 milhões de dólares.

O que vem por aí?

Como é possível perceber, NFT vai muito além das artes e as aplicações parecem ser promissoras. Em alguns anos, é provável que os tokens não-fungíveis estejam sendo aplicados em outros contextos.

Quer uma ideia de como isso poderia ser aplicado em situações cotidianas?

As universidades poderiam emitir diplomas como NFTs, os quais seriam únicos e verificados de forma simples.

Outro exemplo é a venda de ingressos para eventos, onde o ticket seria em formato NFT. Isso já até acontece em alguns lugares, mas pode se tornar algo bem comum no futuro.

_

E você, o que acha desse novo mercado? Compraria algo em formato NFT? Conte nos comentários! ✍️

 


Comentários


Diário Popular - Todos os direitos reservados