Saúde digital

Saúde digital: soluções tecnológicas crescem no setor e impactam profissionais e pacientes

Desde um aplicativo no celular até um novo processo tecnológico em um hospital, as tecnologias de saúde digital avançam ao redor do mundo

11 de Fevereiro de 2022 - 06h57 Corrigir A + A -

Por: K2. – Assessoria e Comunicação Digital

contato@k2ponto.com.br

Imagem: DCStudio - Freepik

Imagem: DCStudio - Freepik

A transformação digital tem modificado muitos aspectos da nossa vida pessoal e profissional. As mudanças vão desde um aplicativo no smartphone até a modificação em um procedimento de trabalho em que estávamos acostumados.

Essas mudanças não se limitam a setores de tecnologia e inovação. A área da saúde também tem utilizado as potencialidades do digital para aprimorar seus processos. 

Quando pensamos na relação entre digital e saúde, uma das primeiras coisas que vêm à mente é a noção de telemedicina, mas a saúde digital vai muito além disso.

Como afirma a Organização Mundial da Saúde, as tecnologias digitais estão integradas na vida moderna e a população mundial nunca esteve tão conectada como agora. Ainda assim, a aplicação da tecnologia na saúde continua pouco explorada e limitada aos países mais ricos. 

Neste contexto, as investigações científicas têm proporcionado grandes passos no setor e auxiliado no entendimento de como isso pode funcionar na prática. As pesquisadoras Song-Hee Kim e Hummy Song, por exemplo, investigaram como o uso de tecnologias digitais em hospitais poderia impactar as etapas de trabalho dos profissionais.

O estudo apontou que a tecnologia pode fazer uma grande diferença em setores como os de gerenciamento de fluxo de pacientes, agendamento e cadeia de suprimentos. 

O principal resultado apontou que essas estratégias digitais melhoram a qualidade e a eficiência no atendimento e no acesso dos pacientes a esses procedimentos.

Acreditamos que a transformação digital tem um papel importante a desempenhar na otimização da tomada de decisões operacionais dos hospitais, o que, por sua vez, pode levar a melhorias na qualidade e eficiência da assistência e no acesso dos pacientes a ela”, apontaram as pesquisadoras.  

Aceleração em tecnologias de saúde digital 

O impacto, no entanto, não se limita às salas de um hospital. As soluções tecnológicas aplicadas à saúde incluem telemedicina, aplicativos para dispositivos móveis e tecnologia vestível (wearable technology), entre outras aplicações.  

Com a pandemia de Covid-19, este setor vivenciou uma grande aceleração. Afinal, uma visita a um hospital não parecia - e para muitas pessoas ainda não parece - ser uma boa ideia. Neste cenário, a tecnologia se tornou uma forte aliada. 

De acordo com dados da CB Insights, o investimento global de venture capital (VC) em empresas de saúde digital totalizou mais de 57 bilhões de dólares em 2021, o que representa um aumento de quase 80% em comparação a 2020.  

Uma grande parcela deste crescimento foi impulsionada por rodadas de financiamento cada vez maiores. O levantamento aponta que os acordos em saúde digital em 2021 tiveram um aumento de apenas 16%. Entretanto, o número de meganegócios (organizações que arrecadam mais de 100 milhões de dólares) praticamente dobrou. 

O crescimento das tecnologias voltadas à saúde mental  

O investimento em companhias de tecnologia de saúde mental e bem-estar dobrou de 2020 para 2021, sendo um dos setores que mais receberam dinheiro na área da saúde, segundo a CB Insights.  

A razão do aumento é a expansão das opções de atendimentos online, que desencadeou uma maior procura por esses formatos.

Os financiamentos para empresas que trabalham com tecnologias voltadas à saúde mental cresceram aproximadamente 139%, com valores que giram em torno de 5,5 bilhões de dólares. 

Segundo o empreendedor de tecnologia de saúde e CEO da Medchart, James Bateman, conforme as pessoas foram vivenciando o modelo remoto em suas atividades diárias e profissionais, elas perceberam que o formato poderia funcionar bem. 

Neste contexto, os atendimentos virtuais aumentaram muito, com uma forte aceitação em comparação aos tempos pré-Covid. Para 2022, Bateman aponta que espera-se um crescimento na adoção de aplicativos de telessaúde e uma maior infraestrutura de dados para garantir essa direção.  

A pandemia, os regulamentos e a demanda dos pacientes criaram uma tempestade perfeita para a tecnologia da saúde. O desempenho passado indica um futuro forte para esta indústria, explica Bateman.  

Uma estratégia que requer o mundo todo 

Uma das principais questões em torno do debate sobre saúde digital é como essas estratégias e soluções serão aplicadas em diferentes países ao redor do mundo e como as nações em desenvolvimento terão acesso a essas tecnologias. 

Tendo essas e outras problemáticas como ponto de partida, a Organização Mundial da Saúde estabeleceu quatro princípios orientadores que têm como objetivo guiar a estratégia global para adoção apropriada e sustentável de tecnologias digitais na saúde: 

  1. Reconhecimento que a institucionalização da saúde digital no sistema nacional de saúde necessita de decisão e compromisso dos países: cada país precisa ter seu plano de ação de saúde construído a partir da estratégia da Organização Mundial de Saúde, porém embasado em seu próprio contexto.

  2. Entendimento de que iniciativas de saúde digital bem sucedidas requerem uma estratégia integrada: as iniciativas de saúde digital devem ser guiadas por uma estratégia robusta que inclua liderança, financeiro, organizacional, recursos humanos e tecnológicos. 

  3. Promoção do uso adequado de tecnologias digitais para saúde: as soluções tecnológicas precisam proteger pessoas, populações e profissionais de saúde contra a desinformação e o uso indevido de informações, assim como de atividades cibernéticas maliciosas, uso inadequado de dados de saúde, violações de direitos, fraudes e exploração.

  4. Reconhecimento da necessidade urgente de abordar os principais desafios enfrentados por países menos desenvolvidos que implementam tecnologias de saúde: falta de recursos, ambiente adequado, infraestrutura, capacidade humana/financeira e conectividade com a internet, entre outras questões, são alguns dos desafios enfrentados por países em desenvolvimento e que precisam ser abordados para estabelecer soluções possíveis. 

 Para a Organização Mundial da Saúde, as tecnologias de saúde digital devem ser parte integrante das prioridades de saúde e, ao mesmo tempo, beneficiar as pessoas de forma ética, segura, igualitária, confiável e sustentável.  

Além disso, as iniciativas precisam ter como guia os princípios de acessibilidade, transparência, privacidade, segurança, escalabilidade, replicabilidade e confidencialidade. 

 E você, já utilizou alguma tecnologia de saúde digital? Se sim, como foi a experiência? Conte nos comentários! 


Comentários


Diário Popular - Todos os direitos reservados