Transformação digital

Novas formas de armazenar dados: entenda o que é computação na nuvem

Muito além do armazenamento de arquivos, a nuvem possibilita a redução de soluções físicas de tecnologia

12 de Novembro de 2021 - 07h27 Corrigir A + A -

Por: K2. – Assessoria e Comunicação Digital

contato@k2ponto.com.br

Imagem: Pixabay

Imagem: Pixabay

O termo técnico computação em nuvem (ou cloud computing) pode parecer complicado, mas é algo que está presente em nossa rotina diária.

A computação em nuvem acontece quando arquivos de dados como planilhas, imagens e textos ou aplicativos são armazenados em um servidor na internet.

Google Docs, Jottacloud, Dropbox e Bitrix são exemplos de aplicações neste modelo.

De acordo com a Forbes, a nuvem é uma das invenções mais importantes da era da informação. Com ela, é possível reduzir custos de TI (Tecnologia da Informação) e aumentar a produtividade, tanto pessoal quanto empresarial.

A nuvem possibilita a menor dependência de soluções físicas de tecnologia, além de reduzir a necessidade de acompanhamento e gerenciamento de data centers.

Além disso, na nuvem, o trabalho pode ser executado com mais eficiência e liberdade. Afinal, é possível estar em qualquer lugar e ainda assim conseguir acessar um arquivo enviado por e-mail, por exemplo.

De acordo com o website de análise de softwares e ferramentas de privacidade Cloudwards, o Google Drive é o serviço de armazenamento mais utilizado no mundo, com 94,4% de adoção.

Em segundo lugar está o Dropbox, considerado o melhor armazenamento em nuvem para colaboração, com 66,2%.

Em terceiro lugar está o OneDrive com 39,35%, seguido por iCloud (38,89%), Box (4,17%) e pCloud (1,39%).

A adoção da nuvem pelas mais diversas organizações é tão promissora que, segundo dados do levantamento Infosys Cloud Radar 2021, 40% das empresas terão migrado mais da metade de seus sistemas para a nuvem até 2022.

Além disso, conforme o levantamento, a utilização da nuvem pode expandir o lucro das empresas para US$ 414 bilhões anuais, uma vez que, ao utilizar esse modelo, é possível aumentar a velocidade de atuação e a competitividade.

Como funciona a computação em nuvem?

A composição da nuvem envolve a ação de diversos servidores para constituir um dispositivo de armazenamento e processamento de dados que seja amplo.

Dessa forma, a partir desses servidores, é possível ajustar a demanda e a capacidade de espaço, memória, banda e processamento da nuvem. 

O principal diferencial da nuvem é que, para fazer tudo isso, não é necessário realizar nenhuma instalação de programa.

Outra questão importante é que, depois de se conectar ao serviço online, todo o trabalho pode ser realizado e acessado a partir de qualquer lugar.

Quer entender melhor? Vamos ilustrar:

Isso é o oposto de um arquivo salvo em uma pasta do seu computador, por exemplo. Caso queira abri-lo em um outro dispositivo, não será possível. No entanto, se o arquivo está salvo na nuvem, você pode acessá-lo de qualquer lugar.

Justamente por essa razão, muitas organizações têm aderido aos serviços de computação em nuvem para os seus processos de trabalho.

Ao invés de criar uma infraestrutura própria de computação, a empresa pode comprar ou alugar acesso a serviços de nuvem e armazenar os documentos relacionados ao trabalho.

Para que serve a computação em nuvem?

A computação em nuvem não é uma coisa nova e já existe no mercado há algum tempo. Com a cloud computing, os serviços se aplicam a várias funções, desde o básico (como salvar uma foto) até o armazenamento mais complexo (como conter a infraestrutura inteira de uma empresa).

Com a pandemia de Covid-19, os serviços de computação em nuvem se intensificaram. A necessidade do trabalho remoto e, posteriormente, a popularização do modelo híbrido, fez com que a adoção de infraestruturas em nuvem crescesse consideravelmente.

👉 Em resumo, qualquer serviço que não exija estar fisicamente presente pode ser fornecido pela nuvem.

Tipos de nuvem

Há três tipos principais de nuvens:

Nuvem pública

A infraestrutura e os serviços de computação são estabelecidos por um provedor terceirizado. No entanto, o compartilhamento é feito entre várias organizações e a internet usada é pública.

Principal diferença: os custos da nuvem pública são menores, pois o investimento e manutenção de hardware é próprio. Assim, as empresas não precisam dispor desse valor. O custo é sob demanda, isto é, se for utilizado algum recurso diferenciado, se paga apenas por ele.

Nuvem privada

A nuvem privada tem o intuito de atender uma única organização. Se a empresa possui filiais, esse modelo de nuvem é utilizado para elas também.

Principal diferença: para empresas que trabalham com dados mais complexos e que precisam atentar para a segurança, esse tipo de nuvem é o mais indicado. Outra característica importante é que esse modelo não é dividido com outras organizações.

Nuvem híbrida

Nesse modelo, a nuvem pública e a privada se interligam. Aqui, todas as funções anteriores estão disponíveis. Contudo, é possível definir o que vai estar na nuvem pública e o que vai estar na privada.

Principal diferença: na nuvem híbrida há a possibilidade de aproveitar os benefícios de ambas citadas anteriormente.

Exemplos de computação em nuvem

Como já deu para perceber, as aplicações são diversas. Além das conhecidas plataformas que utilizam computação em nuvem como Google Drive, Dropbox e Onedrive, há inúmeras empresas que utilizam esse modelo em seus negócios, e muitas delas são comuns em nosso dia a dia.  Quer ver?

Netflix

Em uma migração histórica, a Netflix conseguiu transferir 100% de seus dados para a nuvem em 2016. A estrutura de nuvem que o streaming utiliza executa todas as funcionalidades de computação e armazenamento que a Netflix precisa.

Spotify

Assim como a Netflix, o Spotify migrou seus dados para a nuvem também em 2016. Com uma enorme demanda de usuários, o Spotify conseguiu economizar dinheiro e tempo em vários aspectos logísticos da empresa.

Uber

Após a sua criação, o aplicativo de transporte privado urbano cresceu muito em um curto período de tempo. Milhares de dados precisavam ser armazenados e os custos para isso eram grandes. A alternativa foi migrar para a nuvem, a fim de atender essa alta demanda, e foi isso o que aconteceu.

_

E você, costuma utilizar serviços em nuvem na sua rotina? Qual seu feedback sobre eles? Conte para nós nos comentários! ✍️


Comentários


Diário Popular - Todos os direitos reservados