Tecnologia Limpa

Cleantech: a união entre tecnologia e redução do impacto ambiental

As soluções tecnológicas que envolvem sustentabilidade, ecologia e inovação crescem no mercado mundial e atraem os olhares de investidores

28 de Janeiro de 2022 - 08h08 Corrigir A + A -

Por: K2. – Assessoria e Comunicação Digital

contato@k2ponto.com.br

Imagem: Yves Bernardi - Pixabay

Imagem: Yves Bernardi - Pixabay

O crescimento do setor de cleantech é a prova da viabilidade das tecnologias ligadas ao meio ambiente e à redução do impacto ambiental.

Cleantech é a abreviação de clean technology, que significa “tecnologia limpa” na língua portuguesa. 

De acordo com dados do PwC, apenas no primeiro semestre de 2021, mais de 60 bilhões de dólares foram investidos em startups de tecnologia climática. Este número representa o dobro do que foi investido durante todo o ano de 2020. 

O Portal Cleantech aponta que as tecnologias limpas representam uma variedade de produtos, serviços e processos que são destinados a “(...) fornecer desempenho superior a custos mais baixos, enquanto reduz ou elimina o impacto ecológico negativo ao mesmo tempo que melhora o uso produtivo e responsável dos recursos naturais”.

Em resumo, o conceito nomeia as empresas, startups e organizações de tecnologia que têm como principal foco soluções que sejam sustentáveis, ecológicas e inovadoras.

Alguns exemplos de setores de tecnologia limpa que incluem indústrias inovadoras e de alto crescimento: energia solar e eólica, purificação de água e biocombustíveis. 

Por que as tecnologias limpas cresceram em 2021?  

Para o consultor técnico em tecnologia climática, Ryan Panchadsaram, 2021 foi um ano de sucesso para as cleantechs, devido aos inúmeros exemplos positivos da utilização dessas tecnologias na prática.  

Quando o mercado observa os bons resultados que tais soluções podem trazer, os investimentos aumentam significativamente.  

A outra grande mudança de 2021 é essa verificação da realidade das empresas de energia – as de petróleo e combustíveis fósseis – que, ei, seu tempo está realmente se esgotando, explicou Ryan ao Emerging Tech Brew. 

A principal preocupação sobre as matrizes energéticas como carvão, petróleo e gás natural é o fato de não serem renováveis, isto é, em algum momento elas irão acabar. 

Tendo isso em vista, inúmeras nações ao redor do mundo têm investido em novas estratégias. Por exemplo, o presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, recolocou a descarbonização na agenda de prioridades do país. O objetivo dos EUA é se tornar uma nação neutra de carbono até 2050.  

Enquanto isso, no Brasil, as energias eólica e solar correspondem a 12% da capacidade instalada no país, de acordo com a Empresa de Pesquisa Energética (EPE). Segundo os dados, essas fontes de energia representarão 20% da matriz brasileira até o final da década.  

Exemplos de tecnologias limpas 

Segundo a pesquisa State of Climate Tech 2021, as soluções de tecnologias que têm como foco o meio ambiente podem ser classificadas em três grandes categorias: 

• as que auxiliam na redução da poluição e mudanças climáticas,

• as que permitem a adaptação aos impactos das mudanças climáticas;

• as que ajudam através de dados a entender tais mudanças e os seus impactos. 

Energias renováveis 

As fontes de energia renováveis são os principais exemplos de tecnologias limpas, pois são consideradas inesgotáveis, já que suas quantidades renovam-se constantemente.  

Alguns exemplos de energias renováveis são: solar, hídrica, eólica, geotérmica, biomassa e oceânica.  

Essas fontes de energia são consideradas limpas porque emitem menos gases de efeito estufa que as fontes fósseis. Essa acaba sendo uma das principais razões para o seu crescimento no mercado mundial.

No entanto, como explica a Empresa de Pesquisa Energética, algumas dessas fontes apresentam variação na geração de energia elétrica ao longo do dia ou ano.

A energia eólica, por exemplo, não é utilizada quando não há ventos, enquanto a energia solar não é usada à noite. A energia hídrica também pode ter variações em períodos de estiagens.  

Veículos elétricos  

Não são apenas as relacionadas à energia renovável que compõem a noção de tecnologias limpas. Um bom exemplo de cleantech são os veículos elétricos, que vêm crescendo  muito nos últimos anos.  

Conforme dados da pesquisa State of Climate Tech 2021, os setores de mobilidade e transporte sustentáveis são os que apresentam mais desafios. Em contrapartida, também são os que recebem mais investimentos.  

Entre o segundo semestre de 2020 e primeiro semestre de 2021 foram movimentados cerca de 58 bilhões de dólares nesse setor.  

Nesse contexto, os veículos elétricos e veículos de baixa emissão de gases de efeito estufa dominam o segmento.  

Soluções para agricultura 

A agricultura também é uma área de foco das tecnologias limpas, principalmente no que diz respeito à água e aos resíduos. Segundo a National Cleantech Conference, há uma série de soluções que envolvem conservação, controle de poluição e disponibilidade de recursos para a agricultura.  

Alguns exemplos incluem: processamento de alimentos, produtos sustentáveis de nutrientes para animais e plantas, sistemas de jardinagem interna, tecnologia do solo e fabricação de soluções inteligentes de gotejamento.  

Resultados que vão além do financeiro 

Conforme o State of Climate Tech 2021, o mercado de cleantech oferece aos investidores não apenas o retorno financeiro, mas também a oportunidade de fazer parte de projetos ambientais e de impacto social.  

Atualmente, as tecnologias ambientais - que incluem as tecnologias limpas - estão atraindo muitos investidores pelo mundo.  

Alcançar inovações revolucionárias em áreas atualmente negligenciadas exigem novas ações dos investidores e responsáveis políticos, atesta o relatório. 

Sendo assim,  ainda há muito trabalho a ser desenvolvido para canalizar os investimentos de forma adequada para que impactem o maior número de pessoas ao redor do mundo. 

_

E você, acredita que as tecnologias limpas serão implementadas com maior força no Brasil nos próximos anos? Queremos saber sua opinião. Conte nos comentários! ✍️ 


Comentários


Diário Popular - Todos os direitos reservados