Internet

As gigantes da tecnologia: como as Big Techs impactam a sociedade

As Big Techs dominam diversos setores da tecnologia e são acusadas de práticas anticompetitivas por vários países ao redor do mundo

31 de Dezembro de 2021 - 06h33 Corrigir A + A -

Por: K2. – Assessoria e Comunicação Digital

contato@k2ponto.com.br

Imagem: ThisIsEngineering - Pexels

Imagem: ThisIsEngineering - Pexels

Enquanto espera por atendimento em um estabelecimento, você checa as mensagens, curtidas e comentários nos seus perfis nas redes sociais, como Facebook e Instagram.

Para realizar uma transação financeira, você utiliza sua conta digital em uma fintech.

Ao voltar para casa, você solicita um carro pelo seu smartphone e, durante a viagem, faz uma pesquisa no Google pelos tênis que você está precisando para começar a se exercitar. 

No final do dia, você escolhe um modelo do calçado na Amazon, realiza o pagamento e aguarda a entrega.

Se identificou com alguns elementos dessa rotina? É provável que sim. A razão dessa familiaridade está no fato de que as Big Techs fazem parte de nosso dia a dia em vários momentos e, na maioria das vezes, nós nem percebemos.

O que são Big Techs?

As Big Techs são as gigantes da tecnologia, isto é, as grandes empresas que dominam alguns segmentos desse mercado. Muitas delas surgem como startups pequenas que ganham grandes proporções ao criarem serviços e soluções inovadoras.

Contudo, não é qualquer empresa de tecnologia que se enquadra nessa definição. Atualmente, as maiores Big Techs do mundo em termos de capital fazem parte do grupo chamado Big Five, composto pelo Facebook, Apple, Microsoft, Amazon e Google (também conhecido pela sigla FAMAG).

Estas empresas simplesmente dominam o cenário da tecnologia. Juntas, elas somam milhões em receita e são acusadas pela justiça norte-americana de monopolizar o mercado e impedir o crescimento dos concorrentes.

Como aponta a Harvard Business Review, essas companhias estão no controle de praticamente todos os segmentos de tecnologia. Em 2020, por exemplo, obtiveram uma renda coletiva de cerca de US $ 200 bilhões em receitas de mais de US $ 1 trilhão.

Qual é o impacto das Big Techs na sociedade?

Por dominarem a indústria tecnológica, essas empresas influenciam a economia e a sociedade, já que os produtos desenvolvidos são utilizados por milhões de pessoas ao redor do mundo.

A premissa que guia essas companhias é a inovação. No dia a dia exaustivo, as soluções criadas pelas Big Techs facilitam a vida de muitas pessoas, seja através de um contato mais rápido por meio de aplicativos de mensagens ou a compra facilitada de produtos pela internet.

Seu impacto econômico é enorme. Os dados demonstram que o Big Five movimenta valores inimagináveis. De acordo com a Harvard Business Review, o outro lado da moeda mostra que muitas das pessoas, cujos dados pessoais são utilizados por essas empresas, não estão financeiramente bem, ao passo que as Big Five lucram sem parar.

O salário das classes baixa e média estão estagnados há bastante tempo e as empresas menores enfrentam muitos desafios para se manterem em um mercado tão polarizado. Além disso,  o cibercrime continua a crescer, acompanhado da desinformação.

“Dos mercados desenvolvidos aos emergentes, aqueles que estão fora da tecnologia estão capturando apenas uma pequena fração do valor que ela cria”, destaca a editora sênior da Harvard Business Review, Alison Beard.

Ao controlarem diversos setores do mercado digital e tecnológico, as Big Techs acumulam capital e um grande número de dados dos usuários. E qual o impacto disso? 

💡 Em uma sociedade digital, quem domina os dados também controla o mercado.

Com a concentração desses dados nas mãos de poucas companhias, torna-se extremamente difícil romper o ciclo. Para outras empresas de menor porte é um desafio crescer nesse mercado, pois a competitividade simplesmente não existe.

Parece exagero? Dados da S&P Global Market Intelligence apontaram que o valor atual do mercado de ações das Big Five é maior que o valor das próximas 27 empresas americanas mais valiosas juntas, incluindo companhias gigantescas como Tesla e Walmart.

Não é à toa que nos Estados Unidos e na Europa há um aumento das acusações sobre práticas anticompetitivas de algumas Big Techs.  Em 2020, por exemplo, a Comissão Federal de Comércio dos Estados Unidos e outras 48 autoridades estaduais entraram com processos contra o Facebook por monopólio ilegal.

A partir da compra do Whatsapp e do Instagram, as autoridades alegaram que o Facebook está mantendo seu domínio nas redes sociais através de uma conduta que elimina a concorrência, o que resulta na concentração de lucros nas mesmas mãos.

Em 2022, é possível que mais ações como essa - e até uma investigação federal - sejam realizadas. Além disso, novas regulamentações podem ser criadas para combater as práticas anticompetitivas.

Regulamentação das Big Techs: um caminho difícil

Em termos jurídicos, quanto mais proporção ganham, mais vulneráveis os integrantes do Big Five parecem ficar. Em 2021, o debate sobre regulamentação das Big Techs ganhou força em inúmeros países e, de acordo com o New York Times, a tendência é que essa vulnerabilidade continue em 2022.

Entre os legisladores parece haver um consenso, como aponta um artigo da Forbes: as Big Techs estão grandes demais. Há uma série de ações judiciais que afirmam que essas empresas estão “massacrando” as empresas menores. 

Essas ações argumentam que as Big Techs criam monopólios por meio de estratégias injustas e retiram o poder de escolha das pessoas – afinal, quando uma só empresa domina praticamente todas as redes sociais, como escolher outra opção?

No entanto, esse caminho não é tão simples quanto parece, principalmente por envolver aspectos econômicos, sociais e políticos. Alguns especialistas afirmam que a regulamentação é uma questão delicada na discussão.

Sam Gilbert, pesquisador afiliado ao Instituto Bennett de Políticas Públicas da Universidade de Cambridge e autor do livro Good Data, afirmou ao Tech Monitor que as intervenções regulatórias para limitar o poder das Big Techs são necessárias, porém, ele teme que as propostas não acertem o alvo. 

_

Você acredita que os esforços judiciais para regulamentação das Big Techs devem ser colocados em prática? Queremos saber sua opinião. Conte nos comentários! ✍🏻 


Comentários


Diário Popular - Todos os direitos reservados