DP Tech # 12

APL da Saúde: o papel de Pelotas como polo regional de equipamentos, medicamentos e profissionais

O presidente da instituição falou sobre a visão de um sistema digital de saúde, com procedimentos centralizados, integralizados, ágeis e de amplo acesso para todos os envolvidos

13 de Novembro de 2021 - 09h10 Corrigir A + A -

Por: K2. – Assessoria e Comunicação Digital

contato@k2ponto.com.br

Imagem: reprodução

Imagem: reprodução

Na 12ª edição do DP Tech, a apresentadora Rogéria Ferreira conversou com Leonardo Reichow, presidente da APL da Saúde de Pelotas. 

Fique a seguir com o resumo da entrevista. 

Leonardo Reichow | APL da Saúde 

Leonardo explicou que a APL (Arranjo Produtivo Local) é uma entidade oficializada há 5 anos com a formalização da associação do arranjo produtivo da Saúde de Pelotas e região, mas que nasceu em meados de 2008, incubada dentro da UFPel. 

De acordo com o presidente da APL, a entidade é um esforço conjunto de um grupo de empresas e indústrias de produtos para a saúde, o qual conta com o apoio das universidades e da Prefeitura de Pelotas. 

Leonardo salientou que a cidade é um polo referencial da saúde, sendo responsável pela fabricação de mais de 80% dos aparelhos para uso nesse ramo, bem como medicamentos e tratamentos de enfermidades, uma vez que dispões de um grande número de hospitais, faculdades de Medicina e Enfermagem, além de outras instituições de saúde. 

A APL começou junto com o Pelotas Parque Tecnológico. Todas as suas reuniões, assembleias, decisões, divulgação e novas parcerias aconteceram dentro do Parque, que sempre disponibilizou o apoio necessário. 

Hoje, a APL transformou-se em uma rede ativa que envolve todas as instituições de ensino, fabricantes e vendedores de produtos de saúde, além de profissionais da área, os quais têm acesso simultâneo à toda a cadeia de bens e serviços, a distância de um telefonema ou mensagem de WhatsApp.       

Dependência de produtos e insumos   

Segundo o presidente da APL, a pandemia evidenciou o fato de que o Brasil é deficitário e dependente de produtos e insumos para medicamentos, o que nos torna vulneráreis, e isso afeta até mesmo a segurança nacional, pois somos reféns de fornecedores estrangeiros. 

A Covid-19 alertou o país e a classe médica para a necessidade premente de fomentarmos a indústria de insumos e tecnologias, de modo a estarmos mais bem preparados para outra pandemia, caso ocorra. 

Leonardo disse que a APL da Saúde trabalha também com cursos para capacitar as empresas no tocante à exportação de seus produtos, bem como a adequação destes para os diversos mercados compradores. 

Além disso, a entidade se assessora com consultorias para diversos ramos da produção, exportação e adequação, visando facilitar as burocracias, requisitos e leis de outros mercados sobre produtos importados. 

Leonardo também disse que a APL visualiza uma transformação do mundo da saúde no pós-pandemia, na qual os hospitais deverão se informatizar mais, passando para um sistema digital de saúde onde os procedimentos serão centralizados, integralizados e de acesso amplo e rápido para todos os envolvidos, priorizando a rapidez e a precisão na resposta emergencial.

__

Assista à 12ª edição do DP Tech aqui.


Comentários


Diário Popular - Todos os direitos reservados