Inovação

A importância da parceria entre Pelotas Parque Tecnológico, Diário Popular e K2.

O programa DP Tech, fruto dessa aliança, veio para promover as ações de desenvolvimento social por meio da inovação tecnológica.

25 de Setembro de 2021 - 07h24 Corrigir A + A -

Por: K2. – Assessoria e Comunicação Digital

contato@k2ponto.com.br

Imagem: DP Tech

Imagem: DP Tech

Em recente visita ao estúdio do Diário Popular, a cúpula administrativa do Pelotas Parque Tecnológico (Edgar Matarredona - diretor técnico-administrativo; Guilherme Monks - diretor executivo; Mauro Meirelles - presidente do Conselho Administrativo; Felipe Marques - vice-presidente do Conselho Administrativo) conversou com a apresentadora Rogéria Ferreira sobre a importância do convênio firmado com o Diário Popular e a K2., voltado para a divulgação das ações realizadas no Parque. Fique agora com os principais pontos de cada entrevista.

Edgar Matarredona | diretor técnico-administrativo

Edgar Matarredona conversou com Rogéria Ferreira sobre o atraso que o projeto sofreu em virtude da pandemia, ocasionando uma lentidão acentuada na execução e divulgação do projeto em diversas plataformas de projeção.

Matarredona falou sobre a intenção da parceria firmada com o DP e a K2., que tem o objetivo de mostrar aos investidores da região e ao público-alvo o enorme potencial do projeto em andamento.

O PPT está focado na criação de soluções para as demandas da comunidade local, mas projetando o desenvolvimento regional e estadual.  O projeto atual visa à instalação de uma base estrutural para outros empreendimentos satélites, sejam eles comerciais ou serviços que possam dar suporte à região no entorno do projeto principal, e que ocasionam a inserção social.

Além disso, está sendo criado um ambiente próprio para a elaboração de projetos para além das incubadoras trazidas pelas instituições das universidades e demais órgãos.  O PPT está em busca de novas parcerias e investimentos para a ampliação do projeto. 

Matarredona frisou que foi criado um edital de fluxo contínuo para receber empresas no ramo das ciências, tanto já constituídas ou incubadas, para fazerem parte do Parque.  

O diretor técnico-administrativo do PPT disse que o principal fator para o sucesso e a sobrevivência durante a fase de pandemia foi a cooperação entre todos os segmentos, especialmente o agronegócio - o setor que mais inovou e cresceu.

Guilherme Monks | diretor executivo

Guilherme Monks explanou sobre a ideia e a formação do Parque, que hoje conta com a participação do poder público municipal e UFPel, IFSul, UCPel e SENAC na parte técnica, além de empreendedores da iniciativa privada.

Atualmente, o PPT é uma associação juridicamente detalhada, com estatutos definidos para a incumbência de gerir esse patrimônio público. 

O Parque também conta com um conselho administrativo e uma diretoria técnico-científica, que controla a locação de espaços para empresas e empreendedores, servindo como uma incubadora, posto que pequenos empreendedores podem trocar experiências no próprio local. 

Mauro Meirelles | presidente do Conselho Administrativo

Mauro Meirelles ressaltou que o objetivo primordial foi conciliar todos os segmentos em torno de um ideal comum, agregando esforços e recursos para alavancar o projeto em si, baseando-se na inovação tecnológica apoiada pelo suporte empresarial. 

Buscando essa integração, o PPT viabilizou a reconstrução do prédio público disponibilizado e foi atrás de toda essa cadeia de instituições acadêmicas e de pesquisas que, após instaladas no Pelotas Parque Tecnológico, irão formar um ecossistema tecnológico.

De acordo com Meirelles, a iniciativa, que tem por objetivo estimular o empreendedorismo regional, não teria acontecido sem o apoio da Prefeitura Municipal de Pelotas, que cedeu o local e confiou no sucesso do projeto.  

O presidente do Conselho de Administração ainda acrescentou que, pelo fato de as instituições de ensino envolvidas terem campus em outras cidades, isso fará com que a ideia seja levada para diversos locais, ficando Pelotas como polo principal do projeto.  

Finalizando, Meireles agradeceu a confiança e o apoio de todas instituições, dos empresários e da Prefeitura Municipal de Pelotas.

Felipe Marques | vice-presidente do Conselho Administrativo

Felipe Marques falou sobre as Instituições de Ciência e Tecnologia (ICTs) que fazem parte da composição do Parque: UFPel (representada por Felipe), UCPel, Faculdade de Tecnologia Senac e IFSul. 

Marques disse que o PPT estabeleceu relações voltadas para ao desenvolvimento tecnológico e, inclusive, já tem exemplos de casos onde se consolidou a transferência de teccnologia, ou seja, aquilo que é desenvolvido em parceria com a ICT no âmbito de pesquisa e ensino tem chegado ao setor produtivo.

Assim, empresas instaladas dentro do Parque já se beneficiam desta possibilidade de desenvolvimento em conjunto.

Felipe explicou que o PPT consegue contemplar projetos em diferentes níveis de maturidade, de modo que as ideias rececidas se tornem negócios, e o objetivo principal da incubadora e do Parque é facilitar esse processo.

O vice-presidente do Conselho Administrativo disse que existem vários casos de sucesso de empresas que foram incubadas e se desenvolveram no ambiente do Parque, tanto em âmbito regional quanto nacional.

______

Assita à 2ª edição do DP Tech aqui.

 


Comentários


Diário Popular - Todos os direitos reservados