Alerta

Recentes casos acendem alerta sobre violência doméstica na região

A cidade de Arroio Grande registrou três casos na última semana

03 de Maio de 2021 - 20h18 Corrigir A + A -
Pelotas conta com Sala das Margaridas para registros (Foto: Jô Folha - DP)

Pelotas conta com Sala das Margaridas para registros (Foto: Jô Folha - DP)

Oficialmente, os números mostram uma desaceleração da violência contra a mulher na região. Mas a última semana, com três casos em Arroio Grande e um em Pelotas, acende o alerta para uma possível subnotificação, resultado do isolamento social em termos de Covid-19. Recentemente, o Governo do Estado lançou edital para abrigamento de mulheres que tenham passado por violência doméstica.

Os três casos registrados em Arroio Grande surpreenderam uma comunidade que vinha com números baixos em 2021. Desde o início do ano, a cidade havia registrado três ameaças e cinco lesões corporais. Conforme informado pelo Diário Popular na edição de ontem, os três casos recentes ocorreram entre os dias 24 e 28 de abril. No primeiro, um homem de 25 anos, natural de Uberlândia, MG, agrediu e ameaçou a companheira e posteriormente apresentou nome falso aos policiais. Quatro dias depois, a BM encaminhou à delegacia uma vítima e um acusado de 21 anos. O relato foi de lesões e cárcere privado. No mesmo dia, uma mulher que havia solicitado medidas da Lei Maria da Penha no dia 26 compareceu à delegacia acompanhada da Brigada Militar para informar que o acusado, seu ex-companheiro, seguia lhe perturbando e desobedecendo medida de afastamento. O homem tem 46 anos.

Em queda
Já em Pelotas, o último caso divulgado foi a denúncia de uma mulher, para a Guarda Municipal, de que estava sendo vítima de violência doméstica. No relato dela, o ex-companheiro a estava mantendo em cárcere privado, havia cuspido em seu rosto e ainda a agredido fisicamente, além de ameaçá-la de morte em caso de denúncia. Ele foi preso e encaminhado ao Presídio Regional de Pelotas.

A denúncia se soma a números que, a princípio, são menores que os de 2020. Até o dia 6 de abril, a cidade havia registrado 155 ameaças, 189 lesões corporais e nove estupros. No mesmo período do ano passado, eram 292 ameaças, 224 lesões corporais e 12 estupros, além de dois feminicídios.

Na outra cidade-polo da região, Rio Grande, os números, em parte, também representam queda na comparação dos três primeiros meses de 2020 e 2021. As ameaças caíram de 185 para 125, as agressões físicas foram de 140 para 117 e os estupros diminuíram de 11 para 4. Os feminicídios, porém, saltaram de 0 para 4.

Edital
O governo do Estado, por meio da Secretaria de Justiça, Cidadania e Direitos Humanos (SJCDH), publicou o edital de chamamento público do projeto Acolhendo Vidas, criado pelo Departamento de Políticas para as Mulheres (DPM). Com o objetivo de ampliar o serviço de abrigamento das vítimas de violência doméstica no Estado, serão compradas 15 vagas em fundações e instituições privadas que tenham condições de abrigar essas mulheres residentes em municípios que não contam com a estrutura de casas abrigo. As Organizações da Sociedade Civil (OSC) interessadas podem se inscrever através de edital disponível em https://bit.ly/3gXO8h6.


Comentários


Diário Popular - Todos os direitos reservados