No campo

Programa Sentinela completa um mês com ações de fiscalização e educação sanitária

Nos primeiros 15 dias do programa, foram percorridos 2,4 mil quilômetros de fronteira com o Uruguai, fiscalizados 2.931 animais entre bovinos, ovinos e equinos e vistoriados 57 veículos

10 de Agosto de 2020 - 12h40 Corrigir A + A -

O programa Sentinela, de monitoramento das fronteiras gaúchas com o Uruguai e a Argentina, completa um mês de operações. Desenvolvido pela Secretaria da Agricultura, Pecuária e Desenvolvimento Rural (Seapdr), tem por objetivo combater o abigeato e diminuir o risco sanitário.

Os dados consolidados só devem sair dentro de dez dias, mas os números dos primeiros quinze dias do programa – iniciado em 8 de julho – demonstram a importância da iniciativa. Nesse período, foram percorridos 2.400 quilômetros de fronteira com o Uruguai, fiscalizados 2.931 animais entre bovinos, ovinos e equinos, instaladas 20 barreiras e vistoriados 57 veículos.

Também foram identificados 468 animais na faixa de domínio. “Estes animais representam um grande risco sanitário ao rebanho gaúcho, pois são potenciais disseminadores de doenças infectocontagiosas, pois não têm origem conhecida, além de poderem causar acidentes", alerta Francisco Lopes, coordenador do programa.

Sentinela foto2
Fiscais começaram a percorrer a fronteira com o Uruguai e a Argentina em 8 de julho
(Foto: Divulgação Seapd)

Nesta primeira quinzena, foram emitidos 24 autos de infração, 10 de infração e multa e uma apreensão e inutilização. Entre as ocorrências, gado de corredor, saldo divergente em propriedades rurais, produto impróprio para o consumo e trânsito sem GTA (Guia de Trânsito Animal).

As ações de educação sanitária, um dos eixos fundamentais do programa, totalizaram 149. A iniciativa inclui conversas de esclarecimento com os produtores rurais sobre o Sentinela e distribuição de fôlderes explicativos.

O programa Sentinela envolve a fiscalização de 1,2 mil quilômetros de faixa de fronteira, em 59 municípios, 64.842 propriedades rurais e rebanho de 4,4 milhões de cabeças.


Comentários


Diário Popular - Todos os direitos reservados