Operação Parador

Polícia civil deflagra a terceira fase da Operação Parador 27

A ação foi desencadeada em âmbito nacional e combate crimes de exploração sexual de menores

13 de Maio de 2022 - 21h00 Corrigir A + A -
 Ação foi coordenada pela titular da Delegacia da Criança e do Adolescente de Pelotas, delegada Lisiane Moraes Mattarredona
(Foto: Divulgação PC)

Ação foi coordenada pela titular da Delegacia da Criança e do Adolescente de Pelotas, delegada Lisiane Moraes Mattarredona (Foto: Divulgação PC)


A Polícia Civil, através da Delegacia da Criança e do Adolescente de Pelotas, coordenada pela titular Lisiane Moraes Mattarredona, realizou diversas ações vinculadas à Operação Parador 27, desencadeada em âmbito nacional em combate aos crimes envolvendo exploração sexual de crianças e adolescentes. Foram realizadas até agora, três ações e todas foram realizadas também em Pelotas e todas aconteceram neste mês de maio.
A primeira delas foi realizada na noite de 6 de maio, com apoio da Brigada Militar, Guarda Municipal, Conselho Tutelar e Secretaria de Qualidade Ambiental. Naquela oportunidade, foram inspecionadas casas noturnas, com o objetivo de apurar presença de crianças e adolescentes nos locais. Durante as diligências, três homens abordados portavam entorpecentes e foram encaminhados à Delegacia de Polícia de Pronto Atendimento (Dppa).
Uma segunda ação se deu no dia 9 de maio, quando policiais realizaram fiscalizações de crianças e adolescentes em situação de risco, identificando duas crianças em situação de maus tratos e vulnerabilidade. O Conselho Tutelar foi acionado e procedeu-se ao afastamento dos menores do lar visando à proteção das crianças.
Também foram efetuadas ações repressivas na quinta-feira (12), em uma terceira fase da operação com o cumprimento de Mandados de Busca e Apreensão, quando um aparelho celular foi apreendido. Segundo informações policiais, este auxiliará em investigação relacionada a abuso sexual de uma adolescente, que está em andamento.
Conforme dados do Observatório Estadual da Segurança Pública, o número de ocorrências de abusos contra vítimas de 0 a 17 anos no RS, considerando os registros de exploração sexual infanto-juvenil, estupro e estupro de vulnerável, subiu 2% em 2021, na comparação com o ano anterior, de 3.249 casos para 3.305. A alta reforça a necessidade de ações para coibir este tipo de crime, bem como para resgatar vítimas que possam sofrer abusos, além da conscientização dos gaúchos para denunciar às autoridades qualquer suspeita de exploração a crianças e jovens.
As três ações se integram à Operação Parador 27, coordenada pelo Ministério da Justiça e da Segurança Pública (MJSP) para fomentar em todos os estados a realização de ações em alusão ao Maio Amarelo, mês dedicado ao alerta da sociedade sobre o combate à exploração sexual infanto-juvenil.
O delegado regional, Márcio Steffens, esclareceu que a Polícia Civil possui canais de comunicação e recebimento de denúncias envolvendo abuso sexual infantil através do número 197.


Comentários


Diário Popular - Todos os direitos reservados