16 dias de ativismo

Operação Marias prende dois homens em Pelotas

Ação foi desencadeada em 22 cidades do Estado em combate à violência contra a mulher

27 de Novembro de 2019 - 17h32 Corrigir A + A -

Por: Giulliane Viêgas
giulliane.viegas@diariopopular.com.br

(Foto: Polícia Civil)

(Foto: Polícia Civil)

(Foto: Polícia Civil)

(Foto: Polícia Civil)

A Polícia Civil do Estado, através das 22 Delegacias Especializadas no Atendimento às Mulheres (Deam), deflagrou em todo o Rio Grande do Sul a Operação Marias, pelos 16 Dias de Ativismo à Não Violência contra a Mulher. A ação também foi deflagrada em âmbito nacional.

No RS, os policiais cumpriram 19 mandados de prisão e 91 de busca e apreensão por crimes de violência doméstica. Em Pelotas, foram cumpridas 12 ordens judiciais que resultaram em duas prisões, apreensão de uma arma e de 45 munições. Os policiais também verificaram denúncias e se as Medidas Protetivas de Urgência (MPUs) impostas contra os agressores estão sendo respeitadas.

Durante coletiva de imprensa em Porto Alegre, a delegada Tatiana Bastos disse que 72% das vítimas de feminicídio no Estado nunca procuraram ajuda e nem possuíam MPU. Segundo os dados, 69% delas não registraram ocorrência de violência contra o agressor. Desde o início do ano, 82 mulheres foram assassinadas, duas delas em Pelotas. Chaiane da Luz Lima, 30, foi morta no dia 1º de outubro, atingida por - pelo menos - 20 golpes de faca, na Balsa. A polícia foi acionada por populares após ouvirem gritos de pedidos de socorro. Os filhos da vítima estavam em casa no momento do crime. A manicure e o suspeito mantinham relacionamento há aproximadamente dez anos. No início de setembro, a cidade registrou o primeiro feminicídio. Vera Regina Heller Malue, 49, foi morta a facadas pelo marido, Fábio Fernando de Freitas, 45, que cometeu suicídio após matar a mulher dentro da casa em que moravam, na rua Pedro Machado Filho, no Porto. Os corpos foram encontrados por uma das filhas do casal, uma jovem de 20 anos, que estranhou a mãe não atender o telefone e decidiu ir até o imóvel. "Tivemos uma queda, mas isso não é o suficiente. Queremos acabar com qualquer tipo de violência contra a mulher", disse a chefe de Polícia Civil do RS, Nadine Anflor.

Ontem, a Polícia Civil lançou uma nova campanha para prevenção da violência contra as mulheres. Conforme Nadine, o objetivo da campanha, além de prevenir a violência, é conscientizar e estimular as pessoas que denunciem ao se depararem com uma situação de violência e covardia contra as mulheres. A campanha circula através de busdoor em 50 ônibus na capital, mas a intenção é espalhar pelo Estado.

Até o momento, sete pessoas foram presas e seis armas apreendidas na Operação Marias estadual.


Comentários


Diário Popular - Todos os direitos reservados