Comando

Operação Irmandade em Jaguarão mira preso em Montenegro

Durante a ação em quatro cidades, mais duas pessoas foram presas em flagrantes

03 de Dezembro de 2020 - 15h35 Corrigir A + A -
óliciais revistaram a cela do suspeito. (Divulgação PC)

óliciais revistaram a cela do suspeito. (Divulgação PC)

Mais duas pessoas foram presas em Jaguarão e Arroio Grande. (Foto: Divulgação)

Mais duas pessoas foram presas em Jaguarão e Arroio Grande. (Foto: Divulgação)

A Polícia Civil de Jaguarão, com apoio da Brigada Militar, desencadeou a 2° fase da Operação Irmandade. Foram cumpridas 11 ordens judiciais, entre mandados de busca e apreensão e mandados de prisão preventiva. O principal alvo desta fase da Operação foi um apenado, recolhido na Penitenciária de Montenegro, o qual foi identificado pela Polícia como sendo um dos principais fornecedores de drogas para a cidade de Jaguarão, líder da organização criminosa investigada.

De acordo com a titular da Delegacia de Polícia Civil de Jaguarão, Juliana Garrastazu Ribeiro, o acusado, de dentro do Presídio, coordenava o esquema de distribuição de drogas na cidade e, inclusive passou a determinar possíveis execuções de pessoas que pertencem a outras organizações, a fim de não deixar outra liderança tomar parte da venda de drogas na cidade.

Foi cumprido mandado de busca e apreensão na cela onde o apenado está , bem como mandado de prisão preventiva contra ele. Na cela, foram apreendidos diversos telefones celulares. Além dele, outras duas pessoas foram presas preventivamente, uma em Jaguarão e outra em Arroio Grande. As ações ocorreram nas cidades de Jaguarão, Arroio Grande, Novo Hamburgo e Montenegro.

Também foi feita a transferência de um apenado pertencente ao grupo criminoso para outra penitenciária, ação esta que faz parte da Operação. Participaram das diligências Policiais Civis de Jaguarão, Arroio Grande, Montenegro e Novo Hamburgo, Policiais Civis da Operação Hórus, policiais Militares de Jaguarão e do 4° BPM (canil), agentes penitenciários de Montenegro e de Rio Grande e agentes penitenciários lotados no Canil da Susepe.


Comentários


Diário Popular - Todos os direitos reservados