Polícia

Operação Graneleiro combate o desvio de cargas

Organização criminosa era investigada desde maio desse ano; em uma das ações, carga de 39 toneladas de arroz de Pelotas foi desviada

02 de Dezembro de 2020 - 23h04 Corrigir A + A -
Medidas foram cumpridas em nove municípios gaúchos (Foto: Divulgação - Polícia Civil)

Medidas foram cumpridas em nove municípios gaúchos (Foto: Divulgação - Polícia Civil)

Por: Leandro Adão, da Polícia Civil - RS

Desde meados do mês de maio de 2020, a Polícia Civil, num trabalho conjunto com a Brigada Militar, Polícia Rodoviária Federal e Comando Rodoviário da Brigada Militar, investiga uma organização criminosa especializada em furto/desvio de cargas de grãos (soja, arroz, trigo, milho). O grupo criminoso, integrado por pelo menos 26 pessoas, atuava de maneira empresarial, com posições definidas de chefia, pessoas encarregadas da contratação de fretes, recrutamento de motoristas, compra e manutenção de caminhões e “laranjas”, que serviam para o registro de caminhões, imóveis, empresas fantasmas e demais investimentos da renda obtida com os crimes.

De acordo com estimativas feitas pela Polícia Civil, o prejuízo causado pela organização criminosa, durante os cinco anos de atuação, supera a cifra de R$ 1 bilhão, perda suportada principalmente por empresas do ramo de seguro de cargas.

O grupo era comandado por três homens, um deles residente em Ijuí e dois em Cruz Alta, sendo que dois deles já foram presos em julho desde ano, na cidade de Cruz Alta, numa operação integrada entre Polícia Civil, Brigada Militar, PRF e Comando Rodoviário da BM. Na ocasião, o grupo criminoso foi monitorado desviando uma carga de 39 toneladas de arroz, que ia de Pelotas a Imperatriz (MA). Naquela ocasião, oito homens foram presos. Outro chefe do empreendimento criminoso foi preso preventivamente nesta quarta-feira (2), na cidade de Ijuí, ocasião em que também foram feitas buscas em sua casa. Foram apreendidos objetos e veículos relacionados com a investigação.

A Operação Graneleiro, realizada de forma simultânea em nove cidades do Rio Grande do Sul e em três de Santa Catarina, envolveu cerca de 150 policiais e 40 viaturas. Foram executados 26 mandados de prisão preventiva, 28 mandados de busca e apreensão residencial, 30 mandados de apreensão de caminhões e carros utilizados/adquiridos pelo grupo criminoso, além de outras ordens judiciais.

A coordenação da operação ficou a cargo da Draco de São Luiz Gonzaga, mas os trabalhos foram realizados de forma integrada com as Delegacias de Polícia Regionais de São Luiz Gonzaga, Ijuí, Cruz Alta, Santa Maria, Santiago, Três Passos e Carazinho.


Comentários


Diário Popular - Todos os direitos reservados