Polícia

Operação Aliena prende 15 pessoas em Pelotas

Investigação da Draco identificou lideranças de organização criminosa que comandava o tráfico de drogas de dentro do Presídio Regional

30 de Junho de 2020 - 16h38 Corrigir A + A -

Por: Redação
web@diariopopular.com.br

Ação realizada nesta terça contou com Polícia Civil, PRF e BM (Foto: Divulgação)

Ação realizada nesta terça contou com Polícia Civil, PRF e BM (Foto: Divulgação)

Uma investigação de três meses levou os agentes da Delegacia de Repressão às Ações Criminosas Organizadas (Draco) de Pelotas a deflagrar a Operação Aliena. Foram presas preventivamente 14 pessoas e uma em flagrante. Desde as primeiras horas desta terça-feira (30), 31 policiais civis, 14 policiais militares e dez policiais rodoviários federais, em 20 viaturas, cumpriram 38 ordens judiciais na ação de combate ao tráfico de drogas em diferentes bairros da cidade.

A investigação da Draco identificou integrantes de uma organização criminosa voltada ao tráfico de drogas que agiam no Sítio Floresta, Dunas, loteamento Barão de Mauá, Osório e nas Três Vendas. Segundo o titular da Especializada, delegado Rafael Lopes, no decorrer das investigações descobriu-se que o tráfico era comandado por detentos recolhidos no Presídio Regional de Pelotas (PRP), que utilizavam telefones para repassar as ordens. “O poder judiciário tem sido nosso parceiro, autorizando ferramentas investigativas que nos permitem investigar de forma mais técnica”, disse Lopes.

Das 38 ordens judiciais, 24 foram mandados de busca e apreensão, que resultou no recolhimento de 200 gramas de maconha e 14 de prisão preventiva. As 14 ordens foram cumpridas e houve a prisão em flagrante de um jovem de 20 anos. Segundo o delegado, as lideranças da organização criminosa já estão cumprindo pena. 

Ainda segundo a Draco, aos longo dos três meses de investigação foram apreendidos aproximadamente 7,5 quilos de maconha, um quilos de cocaína e diversas porções de crack. Sobre o nome da operação “Aliena”, a especializada usou a tradução em latim do apelido de um dos investigados, o “gringo”.

Colaboração

A Draco conta com o apoio da comunidade através de denúncias anônimas enviadas para o 197 ou (53) 98446-8217, das 1h30min às 18h durante a semana.


Comentários


Diário Popular - Todos os direitos reservados