Operações

O novo normal nas ações da Polícia Civil

Desafio para os delegados regionais Márcio Steffens e Lígia Furlanetto é proteger o efetivo

01 de Agosto de 2020 - 10h39 Corrigir A + A -

Por: Redação
web@diariopopular.com.br

Avaliação: canais de comunicação aproximaram a polícia da população (Foto: Divulgação - DP)

Avaliação: canais de comunicação aproximaram a polícia da população (Foto: Divulgação - DP)

As ações realizadas pelas equipes das 7ª e 18ª Delegacias Regionais de Polícia Civil (DRP), em Rio Grande e Pelotas, neste primeiro semestre, foram e seguem sendo caracterizadas pelo novo normal imposto pela pandemia da Covid-19. Com algumas atividades prejudicadas pelas restrições impostas pelo coronavírus, os agentes de segurança seguem na linha de frente, tendo que se adaptar às normas de segurança epidemiológica. Mas o período de distanciamento social não afastou a polícia da comunidade.

“Redobramos os cuidados com a exposição com o nosso pessoal, mas mantivemos operações de maior necessidade, dentro de uma normalidade razoável”, diz o titular da 18ª DRP (que abrange dez municípios), Márcio Steffens. Isso inclui o desmantelamento de uma quadrilha de estelionatários que aplicava o falso golpe do aluguel, a prisão de quatro pessoas com mais de dez quilos de cocaína, a operação contra o tráfico de drogas que resultou em 15 presos, além de investigações que levaram à autoria de homicídios e crime de violência doméstica.

“O desafio do novo normal é conseguir compatibilizar as nossas responsabilidades e atribuições com as restrições impostas pelo coronavírus”, explica Steffens. Para ele, é preciso ter cautela com o dia a dia, sem deixar de atender a sociedade. “É apresentar resultados, diante do risco da contaminação.”

Em Rio Grande a situação não é diferente. Para a titular da 7ª DRP (que abrange seis municípios), Lígia Furlanetto, o maior desafio é manter a integridade física e psicológica dos policiais civis. “Nossa atividade não pode parar, uma vez que é considerada de urgência. Sabemos que o vírus circula e precisamos trabalhar”. Em contrapartida, no período em que a palavra distanciamento social é a mais solicitada pelos governantes, a delegada considera que a polícia se aproximou muito da comunidade através da Delegacia OnLine.

No comparativo entre março e julho de 2019 e 2020, os atendimentos presenciais na Delegacia de Polícia de Pronto Atendimento (DPPA) de Rio Grande reduziram 46%. “Os crimes graves, como homicídio, violência doméstica e prisões em flagrantes, continuam sendo realizados presencialmente, o que gera movimentação e, para garantir a proteção dos servidores, decidimos pelo revezamento nos plantões.” Lígia aponta que houve significativa redução nos roubos a pedestres, também pela menor circulação de pessoas, e um acréscimo no número de prisões e apreensões. “São ações que não podem parar.”

Linha direta

Um canal de comunicação que os delegados regionais avaliam positivamente é o Disque Denúncia através do WhatsApp. “Nós já resgatamos uma vítima de cárcere privado através desse canal”, lembra Lígia. Os números de Disque Denúncia têm colaborado em muitas investigações, sem que as regras de segurança epidemiológica sejam quebras. Em Pelotas, as denúncias podem ser feitas para os WhatsApp (53) 98446-8217 ou 98406-6995. Em Rio Grande, o contato é pelo (51) 98440-0706.


Comentários


Diário Popular - Todos os direitos reservados