Exemplo

Município presta homenagem a Cláudia Hartleben

Por decreto, Centro de Referência de Atendimento à Mulher passar a ter o nome da professora, desaparecida há cinco anos

26 de Setembro de 2020 - 18h58 Corrigir A + A -

Por: Redação
web@diariopopular.com.br

Cláudia teria sofrido violência doméstica antes de desaparecer em abril de 2015 (Foto: Leandro Lopes - DP)

Cláudia teria sofrido violência doméstica antes de desaparecer em abril de 2015 (Foto: Leandro Lopes - DP)

O Centro de Referência de Atendimento à Mulher em situação de Violência (CRAM) em Pelotas passou a receber o nome da professora Cláudia Pinho Hartleben. O decreto municipal 6.317/2020 foi assinado pela prefeita Paula esta semana em solenidade virtual, via videoconferência, com presença do secretário de Assistência Social, José Olavo Passos, servidoras e servidores da secretaria e representações da Coordenadoria de Políticas Públicas Para Mulheres. O decreto 6.307/2020, que cria o Núcleo de Educação Permanente do Sistema Único da Assistência Social (NUEP/SUAS), também foi assinado pela chefe do executivo durante o encontro.

O Centro de Referência de Atendimento à Mulher em Situação de Violência está em atividade desde 2014, mas com o decreto 6.317/2020 ele passa a existir legalmente e homenageia a professora Cláudia, sendo administrado pela Coordenadoria Municipal de Políticas Públicas, ligada ao gabinete do secretário de Assistência Social. O nome escolhido para o CRAM é uma homenagem para a professora da Universidade Federal de Pelotas (UFPel), Cláudia Pinho Hartleben, desaparecida desde 2015.

“O Decreto formaliza a criação e dá nome ao Centro, homenageando uma mulher que foi vítima da violência, a professora Cláudia Pinho Hartleben. Uma homenagem a tantas mulheres que, como a Cláudia, perderam a vida ou foram violentadas. Ela se tornou um símbolo de todas e todos que acreditam que um dia essa violência vai acabar”, disse a prefeita.

A mãe de Cláudia, Dona Zilá, que participou da videoconferência de assinatura do decreto, agradeceu pela homenagem prestada à filha. “Ela foi uma lutadora, uma vencedora. Deixo meu melhor agradecimento pela lembrança e por prestarem essa homenagem para a Cláudia”, disse.

O secretário José Olavo Passos, que é ex-promotor de justiça, aposentado do Ministério Público Estadual em 2020, e atuou no caso do desaparecimento de Cláudia, destacou a importância da instituição do Centro para fortalecer a política pública de enfrentamento à violência contra a mulher. “A Cláudia simboliza a mulher pelotense que efetivamente viveu a violência doméstica e buscou reconstruir sua vida”, disse, ao contar que, um ano antes de desaparecer, a professora havia sofrido violência doméstica, mas que buscou seguir em frente, até ser vítima do crime em 2015, até hoje não solucionado.

É dever do CRAM prestar serviço de proteção, acolhimento, acompanhamento psicológico, social e orientação jurídica às mulheres em situação de violência, de modo a torná-las protagonistas dos seus direitos, com mais consciência sobre as relações de gênero. O Centro deverá encaminhar as mulheres em situação de violência para oportunidades de emprego, cursos de capacitação profissional e educação formal, quando necessário, e fazer um levantamento de dados sobre a violência contra a mulher no município.

Decreto 6.307/2020

Na mesma videoconferência, foi assinado o decreto municipal 6.307/2020, também relacionado a Secretaria de Assistência Social (SAS), que institui o Núcleo de Educação Permanente do Sistema Único da Assistência Social (NUEP/SUAS). O objetivo do núcleo será a qualificação permanente dos servidores da Assistência Social, para aperfeiçoamento do atendimento aos usuários do serviço.


Comentários


Diário Popular - Todos os direitos reservados