Investigação

Motorista de aplicativo é preso em flagrante por receptação

O homem de 33 anos, além de transportar o autor do furto de smartphones a uma transportadora pelotense, ainda adquiriu dois dos aparelhos frutos do crime

17 de Setembro de 2019 - 14h02 Corrigir A + A -
Segundo o Setor de Investigações da 3ª DP, o furto à transportadora ocorreu em julho deste ano e, até o momento, os agentes já recuperaram nove dos 14 aparelhos Samsung J4 levados pelo criminoso. (Foto: Divulgação - DP)

Segundo o Setor de Investigações da 3ª DP, o furto à transportadora ocorreu em julho deste ano e, até o momento, os agentes já recuperaram nove dos 14 aparelhos Samsung J4 levados pelo criminoso. (Foto: Divulgação - DP)

Um motorista de aplicativo foi identificado e preso em flagrante pelo crime de receptação pela Polícia Civil de Pelotas. O homem de 33 anos, além de transportar o autor do furto de smartphones a uma transportadora pelotense, ainda adquiriu dois dos aparelhos frutos do crime. A ação faz parte da Operação Fim da Linha, criada pela 3ª DP de Pelotas.

O trabalho foi realizado através do Setor de Investigações da 3ª DP. O furto à transportadora ocorreu em julho deste ano e, até o momento, os agentes já recuperaram nove dos 14 aparelhos Samsung J4 levados pelo criminoso, que já foi identificado. "Ao ser ouvido, o autor do furto comentou que um dos compradores era o motorista de um aplicativo de transporte de passageiros, que foi identificado e preso. Em depoimento, o receptador afirmou que recebeu dois aparelhos para realizar a corrida. Ou seja, obteve vantagem sabendo da origem ilícita do aparelho, o que configura o crime", afirmou o delegado Titular da 3ª DP, Gustavo Pereira.

A investigação identificou ainda que dos dois aparalhos adquiridos pelo motorista de aplicativo, um deles foi comercializado por ele através de uma página de "rolinhos" no Faceboook. "O indiciado ficou com um dos aparelhos e revendeu o outro por R$ 550,00. Identificamos o comprador, contudo como ele pagou um preço aplicável ao mercado e foi descartada sua conduta dolosa ao adquirir o produto", explicou Pereira.

Idealizada pela 3ª DP, a Operação Fim da Linha registra inúmeros aparelhos recuperados e restituídos aos proprietários, bem como diversas prisões em flagrante pelo crime de receptação. "A pessoa ao comprar um produto de origem ilícita deve ter consciência de que, além de estar cometendo um crime, está fomentando o cometimento de outros delitos, como latrocínios, roubos e furtos. A receptação é só o final da cadeia criminosa. E mais que isso: quem supostamente se beneficia hoje de um preço abaixo de mercado, amanhã pode ser uma vítima de um assalto", alertou o Delegado. A pessoa que compra objetos sem procedência pode estar sujeita ao crime de receptação, com pena de reclusão de um a quatro anos e multa. Na forma qualificada, a reclusão é de três a oito anos e multa.


Comentários


Diário Popular - Todos os direitos reservados