Registro

Mais de 140 mil ações de violência doméstica

Em Pelotas, entre 2017 e novembro deste ano, são 15.376 processos de violência contra a mulher, uma média de 640 casos por mês

29 de Novembro de 2019 - 12h30 Corrigir A + A -

Por: Giulliane Viêgas
giulliane.viegas@diariopopular.com.br

 (Foto: Gustavo Mansur - DP)

(Foto: Gustavo Mansur - DP)

*Com informações do Tribunal de Justiça

No Poder Judiciário Estadual tramitam 1.154 processos de feminicídio nas formas tentadas e consumadas, 143.579 processos de violência doméstica. E mais: em quatro anos - entre 2015 e 2019 -, o Judiciário gaúcho deferiu 457 mil Medidas Protetivas de Urgência (MPU), sendo 96.136 até novembro deste ano. As informações são do Tribunal de Justiça (TJ) do Estado.

No Juizado da Violência Doméstica de Pelotas, entre 2017 até novembro de 2019, 15.376 processos envolvendo violência doméstica e MPU passaram pelo Judiciário. Desde o início do ano, foram 4.896 ações. No período de dois anos, 3.431 audiências foram realizadas e, atualmente, 2.815 mulheres possuem Medidas Protetivas de Urgência deferidas pela Justiça contra os agressores.

Segundo dados divulgados pela pela Secretaria Estadual de Segurança Pública (SSP/RS), o Rio Grande do Sul registrou neste ano, até o momento, 287 feminicídios tentados e 82 consumados. Em Pelotas, os indicadores criminais da violência contra mulher da SSP apontam que de janeiro até outubro, 709 mulheres prestaram queixas de ameaça, 476 sofreram agressões físicas, 23 foram vítimas de estupro, houve dois feminicídios consumados e sete tentativas. A média de solicitação de Medidas Protetivas de Urgência, de acordo com dados da Delegacia Especializada no Atendimento à Mulher (Deam), é de 50 pedidos mensais.

Além disso, de acordo com o Atlas da Violência 2019, a média é de 13 mulheres assassinadas no Brasil por dia. A taxa de feminicídios no país é a quinta maior do mundo. Ciúmes, sentimento de posse e inconformidade com o fim do relacionamento aparecem entre as principais motivações dos crimes.

Diante do cenário, o Tribunal de Justiça do RS lançou nesta quinta-feira (28) a campanha Tod@s por Elas, pelos 16 dias de ativismo à não violência contra a mulher, de combate à violência doméstica e ao feminicídio. A iniciativa une as ações do Judiciário, norteadas pelas filosofias de justiça, igualdade, respeito, disciplina e equilíbrio. Além da nova campanha, o TJ possui uma cartilha com orientações sobre prevenção, denúncia, telefones úteis, Rede de Proteção e esclarecimentos sobre a Lei Maria da Penha para que as vítimas tenham acesso às informações.

Não fique calada, denuncie!

Polícia Civil - 197
Brigada Militar - 190
Mulher, da Família e dos Direitos Humanos - 180

 


Comentários


Diário Popular - Todos os direitos reservados