Sistema penitenciário

Líder de facção de Pelotas deve retornar ao Estado

Edinho retornaria ao Presídio de Pelotas. Na semana passada, porém, o Judiciário conseguiu vaga e vai encaminhar o apenado para uma outra cadeia do Rio Grande do Sul

09 de Outubro de 2018 - 17h00 Corrigir A + A -

Por: Giulliane Viêgas
giulliane.viegas@diariopopular.com.br

Edinho tem passagens por roubo, tráfico de drogas, formação de quadrilha, porte ilegal de arma, homicídio e tentativa de homicídio. É apontado pela Polícia Civil de ser responsável por ordens de execuções de dentro do sistema penitenciário. (Foto: Gabriel Huth - DP)

Edinho tem passagens por roubo, tráfico de drogas, formação de quadrilha, porte ilegal de arma, homicídio e tentativa de homicídio. É apontado pela Polícia Civil de ser responsável por ordens de execuções de dentro do sistema penitenciário. (Foto: Gabriel Huth - DP)

O líder de uma das organizações criminosas que disputam o domínio do tráfico de drogas em Pelotas deve retornar ao Estado nos próximos dias. Éder Souza dos Santos, o Edinho, está recluso no Presídio Federal de Mossoró (RN) desde julho do ano passado, quando foi transferido, juntamente com outras principais lideranças do crime organizado do Rio Grande do Sul, para penitenciárias federais durante a megaoperação Pulso Firme. A informação sobre o retorno do detento foi confirmada pelo juiz da Vara de Execuções Criminais (VEC) regional, Marcelo Malizia Cabral.

De acordo com o magistrado, o pedido da VEC para que o líder da organização que domina a galeria D, do Presídio Regional de Pelotas (PRP), se mantivesse na unidade federal não foi aceito. Incialmente, Edinho retornaria ao Presídio de Pelotas. Na semana passada, porém, o Judiciário conseguiu vaga e encaminhar o apenado para uma outra cadeia do Rio Grande do Sul. O local em que Eder Souza dos Santos ficará recluso não foi informado pelo juiz por questões de segurança. "Depois de um mês de trabalho intenso conseguimos que ele vá para uma outra penitenciária que tenha o perfil mais adequado para ele", comentou o juiz. Edinho tem passagens por roubo, tráfico de drogas, formação de quadrilha, porte ilegal de arma, homicídio e tentativa de homicídio. É apontado pela Polícia Civil de ser responsável por ordens de execuções de dentro do sistema penitenciário.

Em maio deste ano, o Tribunal do Júri condenou Eder Souza dos Santos a três anos e seis meses de reclusão pelo crime de disparo de arma de fogo. Edinho foi acusado pelo Ministério Público (MP) de uma tentativa de homicídio ocorrida no dia 12 de outubro de 2015, no bairro Simões Lopes, após ter a casa em que morava atingida por diversos disparos.

Outras lideranças

Em agosto deste ano, lideranças da facção rival também retornaram ao Estado. Tiago Gonçalves Prestes, o Pasteleiro, e José Marcelo Reyes Morales, o Camarão, foram encaminhados à Penitenciária de Alta Segurança de Charqueadas. No início do mês, porém, a Justiça renovou a permanência de Reyes à unidade federal. No entanto, não há previsão de retorno de Camarão ao Rio Grande do Norte.

Pasteleiro - apontado como idealizador da fuga do Presídio Regional de Pelotas, em 2016, em que um caminhão em marcha à ré destruiu parte do muro lateral da penitenciária - e Camarão são lideranças de uma organização criminosa de Pelotas que domina a galeria B do PRP.

 


Comentários


Diário Popular - Todos os direitos reservados