Redução

Indicadores apontam queda nos crimes em Pelotas

Análise dos dados é do Observatório de Segurança Pública de Pelotas

15 de Maio de 2019 - 18h23 Corrigir A + A -

Por: Giulliane Viêgas
giulliane.viegas@diariopopular.com.br

A prefeitura de Pelotas juntamente com o Gabinete de Gestão Integrada e Monitoramento (GGI-M) apresentou na manhã desta quarta-feira (15) os indicadores criminais referentes ao primeiro quadrimestre de 2019. Na análise estão incluídos os Crimes Violentos Letais Intencionais (CVLI) - homicídio doloso, latrocínio, feminicídio, infanticídio e morte em confronto com a polícia -, roubos e furtos em geral, apreensão de armas de fogo e recuperação de veículos. (Foto: Gabriel Huth - DP)

A prefeitura de Pelotas juntamente com o Gabinete de Gestão Integrada e Monitoramento (GGI-M) apresentou na manhã desta quarta-feira (15) os indicadores criminais referentes ao primeiro quadrimestre de 2019. Na análise estão incluídos os Crimes Violentos Letais Intencionais (CVLI) - homicídio doloso, latrocínio, feminicídio, infanticídio e morte em confronto com a polícia -, roubos e furtos em geral, apreensão de armas de fogo e recuperação de veículos. (Foto: Gabriel Huth - DP)

Com informações da Ascom

A prefeitura de Pelotas juntamente com o Gabinete de Gestão Integrada e Monitoramento (GGI-M) apresentou na manhã desta quarta-feira (15) os indicadores criminais referentes ao primeiro quadrimestre de 2019. Na análise estão incluídos os Crimes Violentos Letais Intencionais (CVLI) - homicídio doloso, latrocínio, feminicídio, infanticídio e morte em confronto com a polícia -, roubos e furtos em geral, apreensão de armas de fogo e recuperação de veículos.

De janeiro a abril, houve queda de 50% nos crimes violentos em relação ao mesmo período do ano passado. Foram 24 mortes contra 48 em 2018. Segundo apontou o levantamento elaborado pelo Observatório de Segurança Pública de Pelotas, 54% das vítimas tinham idades entre 15 e 29 anos, 34% com 30 a 49 anos, zero a 14 anos representam 4% e 8% tinham 50 a 80 anos. A análise apontou ainda que 67% eram brancos e 33% negros. Também houve queda nas pessoas feridas por arma de fogo. Foram 28 casos a menos em comparação a janeiro e abril do ano passado, quando 79 pessoas foram alvejadas. Feridos por arma branca tiveram redução de 17% em relação ao mesmo período. Foram 25 casos em 2019 e 30 no ano anterior.

Nos quatro primeiros meses de 2019, a cidade registrou 774 ocorrências de roubos a pedestres, o que representa diminuição de 20% em comparação ao quadrimestre de 2018, quando 965 foram registrados. Os crimes praticados contra estabelecimentos comerciais e instituições financeiras tiveram queda de 34%. A redução também se estende aos roubos ao transporte coletivo, com 25 casos a menos se comparado de janeiro a abril de 2018, quando foram contabilizadas 67 ocorrências. Os roubos e furtos de veículos, juntos, representam redução de 48%. Além disso, segundo o Observatório de Segurança, houve aumento na recuperação de veículos na cidade. Os roubos a residência, entretanto, apresentaram aumento de 37% no comparativo. Foram 24 em 2018 e 33 neste ano. Os furtos se mantiveram em 181 casos. No período, 192 armas de fogo foram apreendidas pelos órgãos de Segurança Pública.

A prefeita Paula Mascarenhas (PSDB) disse que os resultados representam a união de esforços das instituições que participam do Pacto Pelotas pela Paz. Na ocasião, a chefe do Executivo convidou a comunidade para prestigiar o 2º Fórum Municipal de Segurança Pública, que ocorrerá dia 31 deste mês, na Universidade Católica de Pelotas (UCPel), durante o Seminário de Segurança Pública. "É uma queda importante, e o Rio Grande do Sul também está nessa onda de redução. Até 2017 registrávamos um aumento nos últimos 14 anos, e com o lançamento do Pacto, a integração, o planejamento e a prevenção, temos essa tendência de diminuição", explicou a prefeita.

Apesar do aumento geral de 37% dos roubos a residências, os últimos meses apontam queda: dez registros em março e seis em abril. O Observatório, a Brigada Militar e a Polícia Civil já trabalham em um estudo para entender e reagir a essa tendência, com mapeamento dos locais e criação de estratégias focadas, ressaltou o comandante do 4º Batalhão de Polícia Militar, tenente-coronel Eduardo dos Santos Perachi. "Num cenário de crise, de pouco dinheiro, os números apontam uma diminuição geral. Juntos conseguimos enfrentar as dificuldades e chegar a resultados excepcionais, com o mesmo desejo de melhorar a vida de quem vive em Pelotas", avaliou o comandante.

O delegado regional da Polícia Civil, Márcio Steffens, acrescentou a importância das metodologias e da ciência na obtenção dos resultados, em que se percebe uma estabilização dos indicadores, fruto também das ações de caráter preventivo do Pacto Pelotas pela Paz.

 


Comentários


Diário Popular - Todos os direitos reservados