Prejuízos

GM recupera sete hidrômetros furtados em Pelotas

Peças estavam em um carrinho de reciclagens dos autores que fora identificados por câmeras de videomonitoramento

18 de Janeiro de 2022 - 08h30 Corrigir A + A -

Por: Cíntia Piegas
cintiap@diariopopular.com.br 

Destino. Metais muitas vezes são fundidos pelos criminosos
para encobrir a origem ilícita. (Foto: Divulgação - DP)

Destino. Metais muitas vezes são fundidos pelos criminosos para encobrir a origem ilícita. (Foto: Divulgação - DP)

De junho de 2021 até segunda-feira (17), a cada dois dias um hidrômetro foi furtado em Pelotas. Em tempos de escassez de água, o prejuízo atinge não só o proprietário da peça e o Sanep, mas toda a população que depende de água potável. O crime que deve alimentar o comércio paralelo, uma vez que parte do equipamento é feita de metais, sofreu uma derrocada, pelo menos neste final de semana. A Guarda Municipal (GM), além de prender dois arrombadores, recuperou sete peças furtadas só no Centro da cidade.

Por volta das 22h, quando uma guarnição patrulhava pela área central, na rua General Neto, percebeu que o hidrômetro de um estabelecimento comercial havia sido furtado. No local, muita água potável estava sendo desperdiçada. Os guardas entraram em contato com o proprietário de um restaurante próximo e solicitaram as imagens de possíveis suspeitos. Uma vez identificados os autores do furto, a guarnição iniciou buscas pelas redondezas e constatou mais três imóveis alvos dos ladrões de hidrômetros.

As buscas continuaram e, seis quadras distantes dos alvos do crime, os suspeitos foram localizados. Durante a verificação do que havia no carrinho de reciclagem dos abordados, lá estavam os quatro relógios marcadores de água furtados naquela noite e mais outros três que a GM não conseguiu localizar os proprietários. Mesmo assim, a dupla foi levada para a Delegacia de Polícia de Pronto Atendimento (DPPA) para o registro e apuração por meio de inquérito policial. Ainda segundo a GM, é importante que as vítimas façam o boletim de ocorrência.

Com experiência em grandes operações de desmanches, o titular da DPPA, delegado Sandro Bandeira, explica que o que impede a repressão a este tipo de crime - e não só de hidrômetros, mas de cabos e fios - é que os criminosos fundem ou queimam para fazer a venda sem que se perceba a origem. “Tem fundições de fundo de quintal para disfarçar a origem ilícita, ou ao menos descaracterizar o produto”, aponta. Em Rio Grande a BM flagrou dois homens furtando fios. A dupla, de 22 e 30 anos, foi abordada e identificada. Um dos homens deveria estar recolhido, sob o sistema de monitoramento eletrônico. Ambos são reincidentes neste tipo de crime.

O que diz Sanep

Em seis meses e meio foram 86 ocorrências de furto de hidrômetros registradas no Sanep. A autarquia informa que, no momento que é apresentado o boletim de ocorrência, não é cobrada a reposição do equipamento, que é fundamental no controle do sistema de abastecimento em Pelotas. Para evitar prejuízos, desde 2018 uma empresa terceirizada faz controle de perdas, substituindo em toda a cidade os aparelhos mais antigos por novos.

A violação e o furto de hidrômetros, em muitos casos, resulta em vazamento de água potável. Segundo informações repassadas pela assessoria de comunicação, a autarquia reduziu consideravelmente o número de vazamentos na rede de distribuição da cidade. “Hoje, as ocorrências são pontuais e se dão por conta de extraordinários do dia a dia. Evitar o desperdício de água é fundamental para a preservação dos recursos naturais e cada ação é importante, seja o Sanep dando manutenção e executando consertos na rede, seja a população fazendo o uso da água de maneira consciente e, nesta engrenagem, inclui-se os episódios de violação e/ou furtos de hidrômetros”, diz a nota.


Comentários


Diário Popular - Todos os direitos reservados