Alerta

Fogo destrói casa no bairro Areal

Bombeiros chamam a atenção às principais causas de incêndios nos meses mais frios do ano

20 de Maio de 2022 - 10h13 Corrigir A + A -
Estrutura de oito cômodos ficou arruinada após a ocorrência (Foto: Jô Folha - DP)

Estrutura de oito cômodos ficou arruinada após a ocorrência (Foto: Jô Folha - DP)

Um incêndio na manhã desta quinta-feira (19) e que destruiu completamente uma casa de oito cômodos, localizada na rua Romeu Machado dos Santos, no bairro Areal, em Pelotas, mais uma vez chama a atenção para cuidados que devem ser tomados constantemente em relação à manutenção da fiação elétrica e também no que se refere ao uso de lareiras, fogareiros, fogão a gás, estufas e espiriteiras nesta época fria do ano. São esses os grandes vilões e responsáveis por um grande número de incêndios. Somente em Pelotas, este ano, foram 51 ocorrências em residências e, se levados em conta todos os tipos de sinistros, como fogo em lixo, em prédio comercial ou vegetação, foram 270 registros até agora.

Apesar do 2º sargento Pedro Amaro, que comandava a operação dos bombeiros no local, ter informado que a causa ainda era desconhecida e que as chamas, embora controladas, ainda não permitiam que se soubesse o motivo, o proprietário da casa, Jorge Luiz de Siqueira, acredita que tenha ocorrido um curto circuito. “Eu estava trabalhando e fui chamado. Cheguei aqui já com tudo queimando. Acredito ter sido um problema na rede elétrica, um curto circuito”, disse. A casa teve perda total, inclusive com a estrutura superior totalmente comprometida. Foram gastos em torno de cinco mil litros de água somente para o combate ao fogo no local.

Mesmo que ainda não tenha sido esclarecida a causa deste incêndio, é importante tomar alguns cuidados nesta época do ano em que são utilizados aquecedores de todos os tipos, além, é claro, de uma revisão constante na fiação elétrica. O uso de velas também requer precaução, assim como a utilização de fogão a lenha. Estas são algumas das causas mais comuns de incêndios no interior de edifícios e casas, em conjunto com a utilização das extensões e fichas triplas elétricas para alimentar vários equipamentos ao mesmo tempo.

O tenente-coronel Isandré Antunes, em vídeo, fala sobre o cuidado com lareiras, principalmente as ecológicas, que estão em alta nos dias de hoje, mas que são também perigosas. O bombeiro alerta que o risco vem da utilização do álcool, único combustível que pode ser usado. A dica principal é não improvisar uma. Segundo o tenente-coronel, são as improvisações que levam a grandes tragédias. Deste modo não se deve utilizar álcool em gel, etanol e muito menos óleo diesel. Também não se deve utilizá-las em cima de carpetes e é preciso o máximo cuidado com crianças e animais de estimação, que podem derrubar o móvel sob o qual fica a lareira e espalhar o combustível.

Fiação elétrica
Quanto à fiação elétrica, o 2º sargento Pedro Amaro ressaltou ser necessária a manutenção e reparo em caso de qualquer sinal de desgaste. “Para essa questão da fiação elétrica, um grande fator de risco de incêndios, é preciso um eletricista com experiência e comprovada expertise, até por questão do dimensionamento da rede elétrica”, alerta. Outro perigo é a utilização de estufas e aquecedores elétricos para secar roupa, informa o sargento.

Quanto a lareiras que utilizam lenha, assim como fogões à lenha, os cuidados necessários são em função das chaminés. O tenente Amaro lembra que é necessária a limpeza regular. “A fumaça da madeira pode se condensar, formando um depósito combustível, popularmente chamado de picumã. Caso se acumule na chaminé, pode entrar em ignição quando for aceso um fogo forte, perdendo o controle”, recomenda. Além disso, enquanto a lareira estiver acesa, é recomendável o uso de uma tela de proteção metálica, pois a lenha pode escorregar e atingir um material combustível, como almofadas, sofás, tapetes entre outros, iniciando assim um incêndio. Também deve-se utilizar lenha adequada ao tipo e tamanho dos fogões. A “acha” pode cair e causar o incêndio.

Cuidados simples
> não ligar vários equipamentos elétricos à mesma tomada e extensão;
> proceder à limpeza das lareiras, salamandras e respetivas chaminés;
> utilizar lenha adequada ao tipo e tamanho das lareiras e fogões;
> colocar barreiras resistentes ao fogo que impeçam a saída/queda de combustível a arder para fora da zona de queima das lareiras;
> não armazenar lenha, papel e outros materiais combustíveis ao lado e em cima das lareiras;
> não sair de casa ou ir dormir sem que a lareira ou fogão a lenha estejam completamente apagados;
> não secar/aquecer roupa em cima ou em contato com os aquecedores;
> não tapar as zonas de ventilação dos aquecedores, elas existem para garantir o correto e seguro funcionamento dos equipamentos.


Comentários


Diário Popular - Todos os direitos reservados