Investigação

Draco prende acusados de participar da morte da policial civil Cristina Lucas

Um dos criminosos confessou a participação e o envolvimento dos demais no crime

09 de Agosto de 2019 - 18h38 Corrigir A + A -

Por: Giulliane Viêgas
giulliane.viegas@diariopopular.com.br

 (Foto: Paulo Rossi - DP)

(Foto: Paulo Rossi - DP)

 (Foto: Paulo Rossi - DP)

(Foto: Paulo Rossi - DP)

A Polícia Civil prendeu nesta sexta-feira (9), os três acusados de participarem da morte da inspetora Cristina Gonçalves Lucas, no último dia 1º. Dois foram presos em Rio Grande e um outro em Pedro Osório. Os criminosos de 24, 25 e 26 anos têm antecedentes criminais por furto e homicídio. O homem de 24 anos é apontado como o autor do disparo que matou a agente. 

Em depoimento à Delegacia de Repressão às Ações Criminosas Organizadas (Draco), o de 25 anos admitiu a participação e confirmou o envolvimento dos demais na empreitada. Para o titular da Especializada e responsável pelo inquérito, Rafael Lopes, a intenção do grupo era roubar o automóvel em que a inspetora e a família estavam. "Um deles disse que a intenção era roubar o veículo para cometer outros crimes", disse o titular da 18ª Delegacia de Polícia Regional, Márcio Steffens, durante coletiva de imprensa. 

Márcio Steffens explicou que a Especializada conseguiu localizar o paradeiro dos criminosos após o veículo utilizado para cometer o crime ter sido encontrado no Cerrito e apreendido pela Draco aliado a um intenso trabalho de investigação. No interior do automóvel, os agentes localizaram diversos objetos de vítimas de roubo, o que também ajudou na identificação do trio. O Ford Fiesta havia sido roubado no último dia 12, no interior da Região. "O que aconteceu foi um fato com que não estamos acostumados a viver em Pelotas. A morte da Cristina foi prioridade", comentou. 

Apesar de o caso estar praticamente concluído, a participação de outras pessoas - ainda que seja descartada pela Polícia Civil - é um dos detalhes que faltam no procedimento. "Não acreditamos que tenham outras pessoas envolvidas mas isso está sendo apurado", comentou Steffens. Dois dos acusados são moradores de Pelotas e o outro reside em Rio Grande. Segundo a Polícia Civil, eles não fazem parte de organizações criminosas. O trio deve ser encaminhado ao Presídio Regional de Pelotas (PRP). O delegado Rafael Lopes deve pedir a prisão preventiva dos criminosos. 

A Operação que prendeu os três acusados contou com a participação de agentes da Polícia Civil de Rio Grande que apoiaram o cumprimento dos mandados de prisão e de Bagé, que tinha informações sobre os criminosos.

Relembre
A inspetora Cristina Gonçalves Lucas, 38, era lotada em São José do Norte, e seguia com a família em direção a Porto Alegre quando, ao passar por um dos acessos a Pelotas, em um trevo na BR-116, por volta da 1h, o veículo foi interceptado por criminosos armados em um Ford Fiesta prata, com placas de Canguçu. A família havia saído em férias e pretendia chegar ao Aeroporto Internacional Salgado Filho para pegar o voo marcado para as 5h, com destino ao estado de Goiás.

Um dos ocupantes do Fiesta desceu do carro armado e em seguida o motorista do mesmo veículo também desceu. O marido da policial - que também é servidor da Segurança Pública, mas lotado em Rio Grande - desviou do automóvel que havia parado em frente ao carro em que estavam os filhos do casal - de um e nove anos -, a mãe de Cristina e a inspetora. Nesse momento, um dos criminosos atirou acertando a cabeça da agente. As crianças, o policial militar e a mãe da agente não se feriram. A servidora teve morte cerebral no início da tarde do dia 1º. 


Comentários


Diário Popular - Todos os direitos reservados