Ação policial

Draco de Pelotas desmantela quadrilha de assaltantes

Três pessoas foram presas pela Especializada acusadas de diversos roubos na Zona Sul do Estado

24 de Junho de 2020 - 18h07 Corrigir A + A -

Por: Redação
web@diariopopular.com.br

Boa parte do material roubado da joalheria foi apreendido na Vasco Pires, bairro Areal (Foto: Divulgação - DP)

Boa parte do material roubado da joalheria foi apreendido na Vasco Pires, bairro Areal (Foto: Divulgação - DP)

Uma sequência de crimes em Pelotas, com dois roubos a postos de combustíveis, um a uma revenda de gás e outro uma autopeças, além de um assalto a uma joalheria em Arroio Grande, colocaram a equipe da Delegacia de Repressão às Ações Criminosas Organizadas (Draco) de Pelotas em uma investigação que durou um mês e resultou no desmantelamento de uma quadrilha na cidade. Três pessoas foram presas e um veículo recuperado.

De acordo com o titular da Draco, delegado Rafael Lopes, o que levou a equipe até a organização criminosa foi o assalto à joalheria em Arroio Grande, uma vez que o carro usado na ação foi roubado em Pelotas. "Há um mês, começamos a investigar os roubos em sequência, mas não tínhamos ainda a certeza sobre os autores, apenas a suspeita sobre a associação criminosa. Com base nas características do veículo usado no assalto à joalheria, conseguimos chegar aos responsáveis por diversos crimes," explicou o delegado.

O primeiro integrante da quadrilha foi preso no condomínio Haragano. O segundo suspeito foi detido na vila Bom Jesus e o terceiro no bairro Navegantes. Já o veículo, que teve as placas clonadas, foi recuperado no final do Areal, próximo à Vasco Pires. Além das prisões, a polícia apreendeu um revólver calibre 38 municiado e diversos objetos que foram levados no assalto da joalheria, como relógios, alianças, cordão e bomba de chimarrão. As investigações concluíram ainda que o bando, além de praticar assaltos a estabelecimentos comerciais, foi responsável pelo roubo de três veículos.

Mandado

Já a equipe da 1ª Delegacia de Polícia Civil, cumpriu mandado de busca e apreensão em uma casa na Zona Norte de Pelotas e localizou diversas munições de calibres diferentes. A ordem judicial foi expedida pela 2ª Vara Criminal e tinha por objetivo localizar uma arma de fogo, que não foi encontrada pelos agentes. A pessoa (alvo da ação) teria feito uma ameaça de morte a um vizinho. Na residência do suspeito foram localizados 43 cartuchos intactos de calibre 22; seis cartuchos intactos de calibre 32; quatro cartuchos intactos de calibre 38; um cartucho intacto de calibre 12; e dois cartuchos deflagrados de calibre 12. O homem responderá ao processo em liberdade.


Comentários


Diário Popular - Todos os direitos reservados