Violência

Dois assaltantes são mortos por vítima de sequestro em Pelotas

Homem de 29 anos, natural de Carazinho, pretendia comprar trator em Pelotas; ele foi amarrado pelos bandidos e fingiu estar passando mal para conseguir reagir

16 de Janeiro de 2020 - 15h29 Corrigir A + A -

Por: Giulliane Viêgas
giulliane.viegas@diariopopular.com.br

 (Foto: Carlos Queiroz - DP)

(Foto: Carlos Queiroz - DP)

Uma falsa venda de trator terminou com dois assaltantes mortos na manhã desta quinta-feira (16), em Pelotas. O homem que matou a dupla foi preso por porte ilegal de arma de fogo, mas liberado após pagar fiança de R$ 500,00. A arma está legalizada. O comprador - natural de Carazinho, na Região Noroeste do Estado - teria negociado pela internet a compra da máquina em Pelotas e na manhã desta quinta encontrou os falsos vendedores.

De acordo com a Polícia Civil, o agricultor de 29 anos chegou na cidade, pegou um dos supostos vendedores em um posto de combustíveis e, em seguida, o outro, em local até agora não apurado. No momento em que o segundo assaltante embarcou no veículo, o assalto foi anunciado. O agricultor foi amarrado e colocado no banco traseiro do próprio carro, uma caminhonete Nissan e teve a cabeça tapada por uma camiseta. 

Durante o trajeto, na rua Dom Pedro I, o comprador disse aos assaltantes que estaria se sentindo mal. O motorista, então, parou a caminhonete. O agricultor conseguiu se desamarrar, sacou uma pistola .380 da cintura e atirou na cabeça do homem que estava ao seu lado. Depois, atirou no motorista. Um dos assaltantes chegou a caminhar por alguns metros, mas morreu. O outro não resistiu logo após sair do veículo. O comprador acionou a polícia. 

Em depoimento à polícia, o agricultor contou que os assaltantes afirmavam que só queriam dinheiro e que não levariam o carro. Ele foi ameaçado de morte caso não entregasse o valor da máquina, negociada em R$200 mil. Aos agentes, ele explicou que fingiu estar passando mal e pediu para que os criminosos afrouxassem as cordas que estavam amarrando os pulsos, foi quando, então conseguiu reagir.  

Conforme o delegado plantonista, Robertho Peternelli, os assaltantes revistaram o agricultor mas não perceberam a arma. A dupla estava com um revólver e um simulacro de pistola. O homem de 29 anos já foi ouvido pelos agentes da Delegacia de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP). 

A ocorrência das mortes ficará com a DHPP que deve comprovar a presença da excludente de ilicitude. Já o roubo, ficará com a Delegacia de Repressão às Ações Criminosas Organizadas (Draco), que irá apurar se há outras pessoas envolvidas no caso. 

Ainda não há confirmação da identidade dos mortos.


Comentários


Diário Popular - Todos os direitos reservados