Pelotas

Combate ao abigeato apresenta primeiros resultados

Produtores rurais e BM concluiram que a prevenção e o combate específicos são o melhor caminho para aniquelar os abigeatários; PPCA foi reativada e o trabalho de um mês já tem resultado

24 de Outubro de 2009 - 11h43 Corrigir A + A -

Por: Redação
web@diariopopular.com.br

Há um mês os produtores rurais estavam apreensivos e mais preocupados com o grande número de crimes na zona rural da região. Junto com a Brigada Militar (BM), chegaram à conclusão de que combate e prevenção específicos eram o melhor caminho para aniquilar com os abigeatários. Sendo assim, no dia 21 de setembro foi reativada a Patrulha de Prevenção de Combate ao Abigeato (PPCA) e os 30 dias de trabalho já apresentaram resultados.

O principal meio usado pelos policiais se tornou a embarcação Bafafá III, que navega 64 quilômetros entre o canal São Gonçalo e as lagoas dos Patos e Mirim. São seis policiais que chegam a permanecer 48 horas consecutivas nas rondas pelas águas da região, entre as cidades de Pelotas, Capão do Leão, Pedro Osório, Rio Grande e Arroio Grande.

As primeiras respostas positivas chegaram com o levantamento realizado pela Brigada junto aos produtores. Até a PPCA começar eram furtados em média 20 cabeças de gado por semana. Os bandidos parecem ter recuado e desde o dia 21 de setembro foram registradas apenas duas ocorrências na região. Os policiais ainda trabalharam na fiscalização de 68 embarcações, em 73 abordagens e 11 propriedades vistoriadas.

Para o comandante da PPCA, capitão Rogério Vasconcelos, os números representam um ótimo começo para os trabalhos do grupo. "Ainda trabalhamos para conhecer a região", afirmou. Por isso os policiais inspecionam as fazendas para estudar a área e mapear os animais, além de cadastrarem os rondas das propriedades, chamados de posteros.

Dentro da Bafafá III há um rádio de comunicação direta com a Sala de Operações do 4º Batalhão de Polícia Militar (BPM), que permite aos patrulheiros identificar rapidamente as pessoas abordadas, entre posteros e proprietários, e cruzar os dados com o sistema operacional para verificar se existem pendências judiciais.
 

Saiba mais sobre o trabalho preventivo na edição impressa de domingo (25).


Comentários


Diário Popular - Todos os direitos reservados