Eleições

Paula ganha força no PSDB para pré-candidatura ao Piratini

Dez diretórios municipais e três deputados dão apoio ao nome da prefeita de Pelotas como candidata tucana ao Estado

19 de Janeiro de 2022 - 20h10 Corrigir A + A -
Paula Mascarenhas e Eduardo Leite em inauguração de voo de Pelotas a São Paulo (Foto: Gustavo Vara - Ascom)

Paula Mascarenhas e Eduardo Leite em inauguração de voo de Pelotas a São Paulo (Foto: Gustavo Vara - Ascom)

Está formalizada a articulação para Paula Mascarenhas ser pré-candidata do PSDB ao governo do Estado, em sucessão a Eduardo Leite. Dez diretórios municipais da região assinaram uma carta de apoio à prefeita de Pelotas para que seja o nome do partido na disputa ao Piratini.

De sua parte, Paula se disse "lisonjeada e muito feliz" pelo que chamou de "confiança e reconhecimento" à sua gestão na prefeitura de Pelotas e, ao contrário do que dizia anteriormente, não descartou a possibilidade de ser a candidata tucana ao Piratini.

Nas pesquisas eleitorais divulgadas, o nome de Ranolfo Vieira Jr., atual vice-governador, tem sido apontado como o representante do PSDB na disputa. Porém, não obteve desempenho superior a 5%. A viabilidade eleitoral, além de uma continuidade clara ao governo Leite, de quem Paula foi vice-prefeita entre 2013 e 2016, são os principais argumentos dos apoiadores da pelotense.

Antes falado apenas em bastidores, o nome da prefeita agora repercute no cenário tucano ao Piratini. A iniciativa partiu dos diretórios municipais de Pelotas, Rio Grande, Bagé, Jaguarão, São Lourenço do Sul, Santa Vitória do Palmar, Pinheiro Machado, Arroio Grande, Candiota e Pedro Osório, cujos presidentes assinaram carta em apoio.

Na última terça-feira, uma reunião entre o presidente do PSDB de Pelotas, Flávio Ferreira, o presidente estadual do partido, deputado federal Lucas Redecker, o deputado federal Daniel Trzeciak e o atual secretário de Meio Ambiente e Infraestrutura, Luiz Henrique Viana, tratou do assunto e passou a torná-lo público. Segundo Ferreira, a movimentação inicial não teve participação de Paula e a ideia é conquistar apoio entre diretórios de municípios de outras regiões. No Sul, São José do Norte sinalizou como favorável à ideia, assim como o deputado estadual Pedro Pereira, de Canguçu, que se disse "100% a favor" da candidatura da prefeita.

Externamente, as lideranças do partido dizem ser saudável a pluralidade de pré-candidaturas. É a argumentação de Ferreira, que bate na tecla de Paula ter "a cara" da gestão de Eduardo Leite. O presidente tucano em Pelotas também quer manter o protagonismo da região na disputa. "Conseguimos colocar a cidade em um cenário político nacional. Entendemos que não podemos abrir mão desse espaço", argumenta.

Um dos articuladores da pré-candidatura, Trzeciak cita o desempenho eleitoral, com duas vitórias na disputa à prefeitura, como fator determinante. "A viabilidade depende apenas do PSDB, do debate interno. Como deputado federal tenho peso no voto e estou trabalhando e articulando para que a Paula possa ser este nome", comenta.

Possível renúncia

Para candidatar-se ao Piratini, Paula tem, necessariamente, que renunciar ao cargo de prefeita, para o qual foi eleita até o fim de 2024. Assim, o vice-prefeito Idemar Barz (PSDB) assumiria a prefeitura. O prazo limite para deixar o cargo e concorrer é o fim de março. Fator que mantém o ceticismo nas declarações da prefeita e que, segundo ela, tem feito com que não participe das articulações.

"Acho difícil ter o cenário concluído até o fim de março, Com o quadro indefinido fica quase inviável fazer a renúncia. É difícil que aconteça (o consenso), mas não fecho a porta. Não freei esse movimento porque acho que temos que ter essas opções, de manter o Estado neste ritmo."

Apesar de considerar a renúncia difícil, Paula se coloca como opção se for para manter o projeto de Leite. "É um momento estratégico do Estado. Qualquer possibilidade que não tenha compromisso de dar seguimento ao que está sendo feito, seja esquerda ou direita, é um sinal de alerta para nós. Nossa responsabilidade é dar essa sequência ao governo", completa.

Sobre a renúncia, Paula diz não ter dúvidas de que o plano de governo no município seguiria o mesmo. "O Idemar participa das ações e decisões de governo. É um parceiro leal, não tenho dúvidas de que teria sequência a nossa agenda. O Idemar está comprometido com ela", conclui.

Ranolfo evita comentar

Nome apontado como o principal à sucessão de Eduardo Leite dentro do PSDB, o vice-governador Ranolfo Vieira Jr. manifestou, por meio da assessoria de imprensa, que não compete a ele falar sobre a possível pré-candidatura de Paula. A reportagem não conseguiu contato com o presidente estadual do PSDB, Lucas Redecker.


Comentários


Diário Popular - Todos os direitos reservados