Avaliação

"O PSDB precisa fazer sua autocrítica", diz Trzeciak

Ao avaliar terceiro ano de mandato, deputado federal pelotense projeta eleição nacional de 2022 e ressalta recursos para a região

30 de Dezembro de 2021 - 09h57 Corrigir A + A -
Parlamentar diz definir seus votos no Congresso baseado em convicções pessoais - (Foto: Lucian Brum)

Parlamentar diz definir seus votos no Congresso baseado em convicções pessoais - (Foto: Lucian Brum)

Às vésperas de iniciar o último ano de seu primeiro mandato na Câmara dos Deputados, Daniel Trzeciak (PSDB) diz ter um diagnóstico claro de sua atuação. Apontado por críticos como alinhado ao governo de Jair Bolsonaro (PL), mas também bem avaliado em pesquisa realizada em Pelotas, o parlamentar diz definir seus votos no Congresso baseado em convicções pessoais. "Hoje há um estereótipo: ou é Bolsonaro ou é de esquerda. E não quer dizer que votar a favor do governo seja Bolsonaro. Não estou votando a favor do Bolsonaro, voto a favor de projetos que acredito serem bons para o Brasil."

Recentemente apontado pelo Ranking dos Políticos como deputado gaúcho mais bem avaliado - e segundo entre todas as bancadas -, Trzeciak reconhece o desgaste enfrentado pela classe política nos últimos anos. E atribui a responsabilidade pela descrença dos cidadãos ao excesso de partidos e à forma como as siglas e seus líderes se posicionam. E cita como exemplo negativo a possível aliança entre Geraldo Alckmin e Luís Inácio Lula da Silva (PT). Candidato tucano à Presidência em 2018 como crítico do PT, Alckmin articula formação de chapa com o petista para 2022.

"O PSDB falhou e não conseguiu preencher uma lacuna e acompanhar o ritmo da sociedade em 2018. Nosso candidato fez 4% dos votos. Quem ocupou esse espaço foi Bolsonaro. O PSDB não conseguiu acompanhar os anseios das ruas, talvez por não se renovar. (…) O partido precisa fazer sua autocrítica, se reencontrar no cenário e saber qual papel cumprir nas eleições do ano que vem", comenta.

Eleição estadual

Devido à proximidade com Eduardo Leite desde os tempos como vereador em Pelotas, Trzeciak diz lamentar que o atual governador não tenha superado João Doria nas prévias. Mas afirma que, sem a reeleição do tucano ao Piratini, o momento é de avaliar possíveis opções dentre os quadros estaduais. Entre os quais também se inclui, embora afirme ter como plano concorrer a um novo mandato de deputado.

"Estou pronto para os desafios que me forem apresentados ao tempo. Hoje meu compromisso é com Pelotas e os municípios da região. Os 22 foram mais do que contemplados com recursos, foram visitados e tiveram minha articulação política em Brasília. Esta presença é importante", argumenta. Mas completa: "Meu foco é em 2022, onde sou candidato à reeleição, mas estando pronto a outros cenários que podem acontecer. O PSDB pode ter candidato a governador e temos bons nomes, como os prefeitos de Novo Hamburgo, Santa Maria, Pelotas, Caxias do Sul. Há deputados estaduais, dois federais. Defendo que o PSDB deva seguir a atual gestão do governo do Estado. O candidato está em aberto."

Investimentos na região

Único deputado federal com base eleitoral em Pelotas, Trzeciak defende o uso de emendas como forma dos parlamentares garantirem obras em seus estados. O deputado alega que, sem os recursos indicados diretamente às prefeituras, dificilmente os municípios conseguiriam dar conta de demandas dos cidadãos. "Todas essas entregas e obras que acontecem na cidade são combinadas com a prefeita. Em três anos são mais de 35 ruas e avenidas requalificadas em Pelotas. Concluídas, em andamento ou com recursos garantidos", afirma.

Segundo levantamento feito pelo próprio parlamentar, os recursos repassados às prefeituras da região através de emendas nos três anos do mandato superam o indicado pela bancada gaúcha nos últimos sete anos. "Fui recebido por todos os prefeitos da região. E foram colocados recursos em todas as cidades, pois as pessoas não têm culpa sobre os partidos e as rivalidades políticas, querem ver seus problemas resolvidos. O que precisamos é ser parceiros."


Comentários


Diário Popular - Todos os direitos reservados