Pacote

MDB se posiciona contra mudanças no magistério

Maior bancada de apoio a Eduardo Leite na Assembleia, partido pede a retirada do regime de urgência e rediscussão do projeto

27 de Novembro de 2019 - 16h40 Corrigir A + A -

Por: Vinicius Peraça
vinicius.peraca@diariopopular.com.br 

Nota assinada pelo líder do partido, Fábio Branco, e outros sete parlamentares cobra do governo debate ampliado sobre o plano de carreira (Foto: Guerreiro - Agência ALRS)

Nota assinada pelo líder do partido, Fábio Branco, e outros sete parlamentares cobra do governo debate ampliado sobre o plano de carreira (Foto: Guerreiro - Agência ALRS)

Partido com maior número de parlamentares dentro da base aliada do governo Eduardo Leite (PSDB), o MDB divulgou nota na tarde desta quarta (27) se posicionando contra o Projeto de Lei 507/2019, que modifica o plano de carreira do magistério. No texto, assinado pelos oito deputados da sigla, há crítica ao regime de urgência estabelecido pelo Palácio Piratini para a tramitação da proposta.

“Da forma que foi encaminhada, não concordamos com a proposta que prevê alterações na carreira do magistério. Entendemos que será necessário um profundo e amplo diálogo com os parlamentares e com a categoria, no sentido de aprimorar o projeto e deixá-lo atrativo para os professores”, diz a nota.

Ainda de acordo com a manifestação da bancada, há dificuldade dos parlamentares emedebistas em compreender as propostas de forma a formar consenso partidário sobre o assunto. “A bancada do MDB entende sua importância para a eventual construção de maioria no parlamento, o que reforça a necessidade de plena compreensão das proposições, bem como um possível aperfeiçoamento das mesmas.”

Com a negativa do MDB em aprovar o atual projeto, já são dez deputados estaduais ligados ao governo que declaram voto contrário caso não sejam feitas alterações na proposta. Na terça (26), dois dos três integrantes do PSB na Assembleia Legislativa - Franciane Bayer e Elton Weber - também condicionaram o apoio à proposição a uma revisão no PL 507.


Comentários


Diário Popular - Todos os direitos reservados