Eleições 2010

Marina diz que posição do PV não é de neutralidade

A decisão do PV foi anunciada no começo da tarde deste domingo, em São Paulo

17 de Outubro de 2010 - 21h02 Corrigir A + A -

Por: Redação
web@diariopopular.com.br

A senadora Marina Silva defendeu neste domingo (17) que a posição do PV para o segundo turno das eleições não é de “neutralidade, mas de independência”. Segundo ela, essa posição do partido, que foi definida após a votação em plenária, vai “favorecer a democracia e o debate sobre o que interessa ao Brasil”.

“Não é de neutralidade, até porque o partido assegura, àqueles que querem manifestar a sua posição diferente, a manifestação para um ou outro candidato, mas não poderão usar os símbolos do partido. Não poderão falar como dirigentes do partido. No entanto, como cidadãos, poderão fazê-lo”, explicou Marina, que não revelou seu voto nas urnas. “O voto é secreto”, disse.

A decisão do PV foi anunciada no começo da tarde deste domingo, quando 88 delegados do partido foram favoráveis a essa decisão do partido no segundo turno. Apenas quatro delegados votaram para que o partido se decidisse por uma das candidaturas: a de José Serra, do PSDB, ou a de Dilma Rousseff, do PT.

Marina evitou falar sobre o seu futuro político, defendendo que será candidata “para fazer com que esse embrião de uma terceira via possa prosperar”, oferecendo-se como uma alternativa à “dualidade destrutiva” do PT e do PSDB. A senadora voltou a falar ser contra a reeleição e defensora do mandato de cinco anos.

Antes, em discurso, Marina leu uma carta aberta aos dois candidatos, na qual fez críticas ao debate que está em curso no segundo turno. Segundo ela, os dois partidos que surgiram como inovadores, mostram-se hoje como conservadores, resultando num pragmatismo sem limites. “Esse pragmatismo, que cada um usa como arma, é armadilha em que ambos caem e para a qual levam o país”. Para Marina, os dois candidatos deveriam privilegiar a discussão sobre propostas.

Antes da votação, Alfredo Sirkis, vice-presidente do PV, foi enumerando várias propostas do partido sobre temas como educação, segurança pública, seguridade social, voto distrital misto e meio ambiente, entre outros. Essas propostas foram apresentadas às candidaturas de Dilma e Serra anteriormente e os dois candidatos se posicionaram sobre cada uma dessas questões. Segundo Marina, o PT acolheu a maior parte das propostas.

O PV continua cobrando os demais partidos programaticamente, posicionando-se sempre sobre as propostas. “A agenda de um partido como o nosso não se prende à eleição”, disse o presidente do partido José Luiz de França Penna.


Comentários


Diário Popular - Todos os direitos reservados