Queda de braço

Líder de caminhoneiros batiza nova paralisação de ‘Lorenzoni’

Insatisfeitos com preço dos combustíveis e falta de diálogo com governo, trabalhadores pretendem parar no próximo dia 29

20 de Abril de 2019 - 11h31 Corrigir A + A -

Por: Redação
web@diariopopular.com.br

Onyx Lorenzoni 170419 - Alan Santos - PR

Ministro tenta convencer caminhoneiros e não promover paralisação (Foto: Alan Santos - PR)

Um dos principais líderes nacionais dos caminhoneiros e que há pouco tempo era cumprimentado pelo ministro da Casa Civil, Onyx Lorenzoni (DEM), afirma que haverá paralisação da categoria no próximo dia 29. Além da ameaça, Wanderlei Alvez, conhecido como Dedeco, disse que a parada será batizada de “Lorenzoni”.

O recado ao ministro foi dado porque, segundo ele, o governo estaria negociando interesses da categoria com lideranças que não representariam os trabalhadores. “[Para] ninguém esquecer que ele sabia com quem deveria negociar”, disparou Alvez, segundo o jornal Folha de S. Paulo.

Segundo o caminhoneiro, até alguns dias atrás ele e Lorenzoni vinham mantendo contato por WhatsApp. No entanto, recentemente o ministro teria bloqueado as mensagens.

“Trava na Petrobras”

Em áudio vazado na sexta-feira (19), Lorenzoni tenta tranquilizar grupos de caminhoneiros afirmando que há interferência do Planalto para atender interesses da categoria. O ministro diz que o governo deu “uma trava na Petrobras”, impedindo modificações no preço do óleo diesel antes de um intervalo de 15 ou 30 dias.

Na semana passada, após intervenção direta de Jair Bolsonaro (PSL) para impedir reajuste do combustível, ações da Petrobras despencaram na Bolsa de Valores. Em um dia, a companhia perdeu R$ 32,4 bilhões em valor de mercado.

Dias depois, após reunião do presidente com a direção da estatal, o aumento no preço ocorreu, porém com uma pequena diferença em relação ao que estava previsto no anúncio inicial da companhia. A retomada da alta no diesel foi recebida negativamente por caminhoneiros, que passaram a se mobilizar por nova paralisação da categoria.


Comentários


Diário Popular - Todos os direitos reservados