Câmara

Liberação para empreendimentos no Jockey deve ser votada nesta terça-feira

Projeto de lei que trata da raia, que será alterada, precisa passar pelo crivo da Câmara de Vereadores de Pelotas

12 de Março de 2019 - 08h00 Corrigir A + A -
Diretoria quer que proposta seja aprovada nesta terça-feira pela Câmara. (Foto: Lenise Slawski - Câmara de Vereadores de Pelotas)

Diretoria quer que proposta seja aprovada nesta terça-feira pela Câmara. (Foto: Lenise Slawski - Câmara de Vereadores de Pelotas)

A Câmara de Vereadores de Pelotas analisa, na manhã desta terça-feira, o projeto referente à liberação da área do Jockey Club de Pelotas (JCP) para a instalação de uma unidade das lojas Havan e do Comercial Zaffari. Já acordado entre a direção do clube e as empresas, falta agora a alteração de uma lei que preserva integralmente a área da raia, que precisará passar por alterações para a instalação dos empreendimentos.

Na Câmara, o projeto de autoria do vereador Anderson Garcia (PTB) será analisado na Comissão de Constituição, Justiça e Redação (CCJR) e deve ser votado em plenário na sequência, em função do interesse em agilizar todo o processo. Conforme a diretoria do Jockey, esta seria a única pendência para a assinatura do contrato. O relator da matéria será José Paulo Banemann (PSDB).

Legislação a ser alterada
Se em 2001 o movimento foi para criar uma lei para preservar o Jockey, hoje a articulação é para alterar a legislação criada também em nome da sustentabilidade econômica do clube, explica o presidente Clodoaldo Lima. Como a legislação limitava a utilização da área apenas para corridas de cavalo, a associação ficava impedida de firmar qualquer contrato de locação ou de empreender sobre a área - possibilidade que enche os olhos da atual diretoria em função dos valores previstos no negócio.

"Como somos uma entidade praticamente centenária, o prédio é inventariado e temos uma série de restrições pra fazer qualquer obra. Mas vamos passar por todas estas etapas. Já temos parecer de órgãos responsáveis e vamos cumprir tudo o que estabelece a legislação a respeito do meio ambiente e do patrimônio", garantiu Clodoaldo.

Um aporte de R$ 800 mil repassado pelas duas empresas será utilizado para as alterações na raia, com redução de 180 metros. Hoje a raia possui 1.650 metros. Com a instalação de dois prédios na esquina das avenidas Salgado Filho e Zeferino Costa, a raia terá redução e também estão previstas reformas nos padoques e na área de chegada.

Se aprovada a matéria, uma área de 45 mil metros quadrados será alugada por até 60 anos. Passados os primeiros 30, os prédios serão incorporados ao patrimônio do clube. Além dos prédios, haverá um estacionamento para cerca de mil veículos. Os dois empreendimentos serão responsáveis pela criação de 400 empregos diretos.

Entenda
Em 2001, lei proposta pelo então vereador Eduardo Abreu limitava o uso das raias unicamente para cumprimento de sua função social: exclusivo para a prática de corridas de cavalo. A parceria com dois empreendimentos deve garantir um investimento superior a R$ 50 milhões no local. Conforme a direção do clube, esta seria a única pendência para o início das obras.


Comentários


Diário Popular - Todos os direitos reservados